João 15.1-8 - 5º Domingo da Páscoa - 02/05/2021

Caderno de Cultos 2021 - Sínodo Mato Grosso

29/03/2021

02/05/2021 – 5º Domingo da Páscoa
Pregação: Jo 15.1-8; Leituras: At 8.26-40; 1 Jo 4.7-21
P. Augusto Cesar Klug – Paróquia Luterana na Transamazônica - Rurópolis - PA


LITURGIA DE ABERTURA

ACOLHIDA
Bom dia (Boa tarde, Boa noite)! Que alegria podermos nos reunir mais uma vez como povo de Deus neste que é o 5º Domingo da Páscoa. Acolho a você com a palavra de Deus, palavra da vida eterna que Jesus Cristo diz:
Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. João 14.6
É pelo poder da Palavra de Deus é que nos encontramos, pois Ele nos chamou. Trazemos conosco alegrias, tristezas, dores, esperança. Não precisamos carregar angústias. Pela graça de Deus temos acesso ao Cristo que nos leva ao Pai. Que o Santo Espírito possa falar a nós hoje e que daqui possamos sair animados e animadas a viver unidos àquele que é a videira verdadeira. Amém!
Acolher os/as visitantes

CANTO DE ENTRADA
08 – LCI – Estamos aqui Senhor
Ou: Nº ____________________________________________________

SAUDAÇÃO
Nos reunimos em culto, por Deus é quem nos chama e quer nos servir. Nos reunimos em nome e na presença do Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo. (+) Amém!
Assim como ar que não pode ser visto, mas é sentido. Assim temos a certeza de que aqui Ele está presente e queremos adorá-lo. Convido que louvemos:

CANTOS DE INVOCAÇÃO
14 - LCI– Deus está presente
Ou: Nº ____________________________________________________

CONFISSÃO DE PECADOS

A palavra do Evangelho que ouvimos no início deste culto nos relembra que quem quer ter acesso a Deus deve buscar seguir aquilo que o Filho ensinou e viveu. O Cristo é o único caminho. No entanto, o coração humano busca seguir os seus próprios caminhos se desviando por meio de atalhos. Por isso quero te convidar a nos voltar ao nosso Deus em oração de Confissão de Pecados. De pé, oremos:
Misericordioso Deus, estamos aqui perante ti para confessar as nossas culpas, os nossos erros. Por mais difícil que isso seja, reconhecemos que somos pessoas pecadoras e não agimos conforme os teus ensinamentos. A exemplo da videira e seus ramos, por vezes nos consideramos tronco e nos achamos autossuficientes. Em vez de confiar na tua provisão, dizemos: Eu me viro, eu consigo, não preciso de viver em comunidade; uma vez ao ano ir na igreja é o suficiente. Quantas vezes deixamos de prestar auxílio às pessoas que necessitam. Quantas vezes nos desviamos do teu caminho que aponta para Cristo, nosso Salvador. Quantas vezes tu esperas de nós frutos saborosos de amor, de acolhida, respeito, e o que oferecemos são frutos amargos de ódio, exclusão, intolerância. Por tudo isso Senhor, queremos neste momento te pedir perdão, cantando:
Nº 31 – LCI – Tem misericórdia de mim

Ou: Nº ____________________________________________________

ANÚNCIO DO PERDÃO
“Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados.” (1 João 4.10).
O amor de Deus por nós é pura e verdadeira graça. Deus nos ama não por que merecemos, mas nos ama por que Deus é amor. Por isso Ele nos convida ao arrependimento e mudança de vida. Se atendemos ao chamado dele, somos presenteados com o perdão. Assim, se você confessa em sinceridade o seu pecado e quer viver em novidade de vida, alegre-se! Anuncio o perdão em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

KYRIE
Comunidade reconciliada com Deus e entre si, é chamada a orar, clamar pelas situações de sofrimento (aqui pode ser incluído situações locais, bem concretas de sofrimento). Queremos assim, clamar:
60 - LCI– Tem piedade, Senhor
Ou: Nº ____________________________________________________

GLÓRIA IN EXCELSIS
Deus em sua infinita misericórdia nos dá o seu o perdão através Jesus Cristo, e ouve o clamor de seu povo e responde em seu tempo, sarando, consolando e animando. A este Deus redamos nosso louvor:
69 - LCI– Povos da terra, louvai ao Senhor (letra e melodia se encontra em: https://www.luteranos.com.br/conteudo/povos-da-terra-louvai-ao-senhor)
Ou: Nº ____________________________________________________

ORAÇÃO DO DIA
Bondoso Deus, agradecemos-te pelo dom da vida, por este momento em culto. Em especial queremos te pedir que abra as nossas mentes, ouvidos e corações para ouvirmos a tua palavra e que teu Santo Espírito nos envolva fortalecendo a nossa fé para poder praticar teus ensinamentos no dia-a-dia. Isto te pedimos por teu Filho Jesus Cristo que vive contigo e com o Espírito Santo de eternidade a eternidade. Amém

LITURGIA DA PALAVRA
“Feliz aquele que teme a Deus, o SENHOR, que tem prazer em obedecer aos seus mandamentos!” Salmo 112.2

Em preparação para ouvirmos as leituras bíblicas previstas para este culto, cantemos:

CÂNTICO INTERMEDIÁRIO
149 - LCI– É como a chuva que lava

LEITURAS BÍBLICAS
1ª Leitura Bíblica: Atos 8.26-40
2ª Leitura Bíblica 1 João 4. 7-21

Ouçamos a Leitura do Evangelho de Jesus Cristo, conforme o evangelista João:
Aclamemos o Evangelho cantando aleluia:
188 - LCI– Ale, ale, aleluia
Ou: Nº ____________________________________________________


PREGAÇÃO
Leitura da Evangelho da Salvação conforme João 15.1-8
Que a graça, a paz, o amor do Trino Deus seja conosco hoje e sempre, amém!
No relato do evangelho de hoje, Jesus usa a comparação da videira, a planta que dá uva. Esse tipo de comparação ajuda para que nós, ouvintes, possamos entender melhor o que Jesus está propondo. É sabido que um ramo ou um galho para que possa dar fruto é necessário que ele fique unido ao tronco e que, de vez em quando, passe por uma boa poda. A comunidade é como uma videira. Por vezes, ela passa por momentos difíceis. É o momento da poda, necessária para que ela produza mais frutos.
No Antigo Testamento, a imagem da videira indicava o povo de Israel (Is 5,1-2). O povo era como uma videira que Deus plantou com muito carinho nas encostas das montanhas da Palestina (Sl 80,9-12). Mas a videira não correspondeu ao que Deus esperava. Em vez de uvas boas deu um fruto azedo que não prestava para nada (Is 5,3-4). Porém, em Cristo, Deus dá início a uma nova vinha. Ao enviar seu próprio Filho ao mundo, ele possibilita o surgimento de uma nova comunidade que agora pode produzir frutos, não por si mesma, por seus méritos, mas por que quem possibilita o surgimento desses frutos é o próprio Espírito Santo, que concede a fé, a mantém e a estimula para que você e eu possamos viver em novidade de vida.
Como em qualquer pomar é necessário que haja manutenções.
Ele diz: “Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor. Todo ramo em mim que não produz fruto, ele o corta. E todo ramo que produz fruto, ele o poda!”.Isso significa que a poda é dolorosa, mas é necessária para que o ramo possa continuar a produzir bons e belos furtos. A tarefa de podar, no entanto, não é de responsabilidade do ramo (da pessoa crente). Ramo não poda ramo. Ninguém pode se considerar apto para essa tarefa. A tarefa da poda é de responsabilidade exclusiva do agricultor (Deus). A poda purifica a videira para que cresça e produza mais frutos. Isso significa, meu irmão, minha irmã, que a tarefa da igreja, dos ramos, é de anunciar a palavra de Deus - palavra que denuncia todas as formas de pecado e oferece a graça de Deus. Cabe ao ramo deixar o trabalho duro de julgar qual ramo merece ser poupado e qual merece ser posto fora, para o próprio Deus. Esse é o trabalho duro e acredito que nem você e nem eu, gostaríamos de fazê-lo. Há outro trabalho que é mais simples, mas de grande responsabilidade: o de dar fruto.

No texto do evangelho os discípulos representam esses ramos que já foram podados. Eles foram tocados pela palavra da graça anunciada por Jesus. Até hoje os dias de hoje Deus faz a poda em nós através da sua Palavra que chega a nós por meio da Bíblia, por meio da Pregação da Palavra como está sendo feito hoje e por tantos outros meios. Quando ouvimos uma palavra que nos incomoda, no embrulha o estômago, nos faz retorcer, você pode crer de todo coração que é a poda que Deus está fazendo. É isso que acontece com o Eunuco que ouve de Filipe a mensagem do Evangelho.
Jesus alarga a parábola e diz: “Eu sou a videira e vocês são os ramos!” Não se trata de duas coisas distintas: de um lado a videira, do outro, os ramos. Não! Videira sem ramos não existe. Nós somos parte de Jesus. Jesus é o todo. Para que um ramo possa produzir fruto, deve estar unido à videira. Só assim consegue receber a seiva. “Sem mim vocês não podem fazer nada!” Ramo que não produz fruto é cortado. Ele seca e é recolhido para ser queimado. Não serve para mais nada, nem para lenha! Por isso, o convite é feito: permanecei em mim...
Permanecer em Jesus é possibilidade que acontece por meio da fé concedida a nós por meio do Batismo. O desafio é Viver o Batismo. Por isso quem permanece na palavra de Cristo já está limpo (v. 3). Já estamos limpos na dimensão da realidade do Reino de Deus. No entanto, na dimensão humana, ainda lidamos com a “erva daninha” do pecado e suas consequências. (Nesse ponto pode-se refletir sobre as dificuldades vividas na comunidade). Por isso, assim como o verbo permanecer, viver unido a videira verdadeira exige de nós a ação de nos mantermos vigilantes para que as ervas daninhas não se espalhem e causem prejuízo à plantação (comunidade).
Permanecer na fé em Cristo significa permanecer no amor. A comunidade cristã é reconhecida na vivência do amor fraterno. Onde há amor, ali se vê Deus, pois Deus é amor (1 Jo 4.8). Uma comunidade que se mantém unida, respeita as diferenças, individualidades de cada um e cada uma, esta é videira forte, vigorosa e produz muitos frutos de justiça, respeito, tolerância, compreensão, encorajamento, companheirismo. À medida em que amamos uns aos outros, estamos glorificando à Deus e seremos verdadeiros ramos.
Por fim, compartilho um pensamento de Martim Lutero: Fé e amor perfazem a natureza do cristão. A fé recebe, o amor dá; a fé leva a pessoa a Deus, o amor a aproxima das demais. Através da fé ela aceita os benefícios de Deus, através do amor ela beneficia seus semelhantes.
Conta-se que uma médica conheceu uma menina chamada Liz, que sofria de uma doença rara. A única possibilidade dela se recuperar era a transfusão de sangue de seu irmão de cinco anos, que milagrosamente havia sobrevivido à mesma doença e desenvolvido anticorpos para combatê-la. A médica explicou a situação ao menino que, após pensar um pouco, tomou fôlego e disse: Sim, vou fazer isso para salvar a Liz. À medida em que a transfusão progredia, o menino sorria para a irmã ao ver que o rosto dela tomava cor novamente. Após alguns minutos, o garoto ficou pálido e, com a voz temerosa, perguntou à médica:
- É agora que eu vou morrer?
O pequeno havia entendido mal a explicação da médica. Mas, por amor, estava disposto a entregar a sua vida para salvar a de sua irmã, se assim fosse necessário.
Tire um segundo e reflita sobre essa história. O que ela te lembra? Se ela te fez lembrar da história da salvação, da história de amor de Deus por nós, da entrega de Jesus em nosso lugar, então a tua fé foi reabastecida. Fé essa, que como seiva, nos alimenta e nos desafia a agir em amor, em puro servir, diacronia.
Peça a Deus em suas orações para Ele possa continuar a te conceder esse alimento diário e que assim, encorajados e encorajadas, por estarmos unidos à videira verdadeira, possamos nos esvaziar de nosso egoísmo e nos voltar ao próximo. Amém!

HINO
609 – LCI – Palavra não foi feita para dividir

CONFISSÃO DE FÉ
Confiantes na Palavra de Deus, que faz o trabalho de poda de sua vinha e encoraja a viver unido a videira, queremos confessar a nossa fé com as palavras do Credo Apostólico.
Creio em Deus Pai, ...

CANTO PÓS CONFISSÃO (proceder motivação e o recolhimento das ofertas)
476 – LCI – Como dar graças?

ORAÇÃO DE INTERCESSÃO
Motivos de Oração


1. Aniversariantes
2._______________________________________________________
3._______________________________________________________
4._______________________________________________________
5._______________________________________________________
6._______________________________________________________

Querido e amado Deus te agradecemos por esse momento especial de encontro da tua comunidade em culto. Aqui tivemos a oportunidade de confessar o nosso pecado; fomos consolados com o perdão; orientados e fortalecidos pela tua Palavra que nos desafia a continuar o culto em nossas casas ou para onde nós vamos ao sair daqui.
Como comunidade, queremos lembrar das situações que tem gerado dor e sofrimento. (Aqui pode-se citar os motivos de intercessão da comunidade/paróquia e/ou motivos gerais).
Como ramos unidos à ti, ó Jesus, pedimos que continues a nos manter unidos por meio do teu Santo Espírito afim de que possamos dar bons frutos.
Lembramos das lideranças em nossas comunidades, paróquias, sínodos, secretaria geral, dos ministros e das ministras que atuam nos mais diversos campos de atividade ministerial. Continua, ó Deus, a sustentar estes teus servos e servas para que possam se manter perseverantes na denúncia do pecado e no anúncio da Boa Nova.
Lembra, ó Senhor, das pessoas sofridas que este mundo violento, corrupto, tem causado.
Enfim, tudo mais que está em nosso coração e em nossa mente, colocamos diante de ti por meio da oração que teu filho Jesus, o nosso Senhor no ensinou a orar dizendo:

PAI NOSSO
Pai nosso ...

LITURGIA DE DESPEDIDA

AVISOS
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ h.
Oferta último Culto: R$ _________ - destinada para ...
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


BÊNÇÃO

Que Deus te abençoe te guarde, que Deus faça resplandecer o seu rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti, que o Senhor sobre ti levante o seu rosto e te de a paz. Amém.

ENVIO
Sigamos em paz e sirvamos ao Senhor com gratidão e alegria. Amém!

CANTO FINAL
299 – LCI – Diante dos teus pés.
 


Autor(a): Pastor Augusto Klug
Âmbito: IECLB / Sinodo: Mato Grosso
Área: Celebração / Nível: Celebração - Ano Eclesiástico / Subnível: Celebração - Ano Eclesiástico - Ciclo da Páscoa
Natureza do Domingo: Páscoa
Perfil do Domingo: 5º Domingo da Páscoa
Testamento: Novo / Livro: João / Capitulo: 15 / Versículo Inicial: 1 / Versículo Final: 8
Título da publicação: Caderno de Cultos - Sínodo Mato Grosso / Ano: 2021
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 61754
REDE DE RECURSOS
+
Toda a vida dos crentes não é outra coisa senão louvor e gratidão a Deus.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br