Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil e Ecumene



ID: 2676

O mundo lamenta a perda do Arcebispo Desmond Tutu

Hoje, o mundo junta-se ao luto pela morte de uma figura imponente na luta pela liberdade, pela dignidade e pelos direitos humanos.

26/12/2021

Arcebispo Desmond Tutu. Foto: Peter Williams/WCC
Vancouver, Canada, Agosto 1983. Assembleia do CMI (Foto: Peter Williams/WCC)
Cidade do Cabo, África do Sul, Outubror 1991. Visita da delegação do CMI (Foto: Peter Williams/WCC)
Santiago de Compostela, Espanha, Agosto 1993. (Foto: Peter Williams/WCC)
Porto Alegre, Brasil, Fevereiro 2006 - Assembleia do CMI (Foto: Igor Sperotto/WCC)
Porto Alegre, Brasil, Fevereiro 2006 - Marcha pela Paz - Assembleia do CMI (Foto: Igor Sperotto/WCC)
Genebra, Suíça, Maio 2008 (Foto: Peter Williams/WCC)
Copenhagen, Dinamarca, Dezembro 2009 (Foto: Peter Williams/WCC)
1 | 1
Ampliar

O Arcebispo Desmond Tutu, que morreu hoje aos 90 anos de idade, foi um líder fundamental na luta moral contra o sistema do apartheid na África do Sul, mas o impacto do ministério e do testemunho da sua vida estendeu-se para muito além das fronteiras do seu próprio país e para além desse momento histórico. Também na era pós-apartheid, o seu compromisso de princípio para com a justiça para todos permaneceu inabalável. Tutu acreditava apaixonadamente que a fé cristã é inclusiva para todos, e que a responsabilidade cristã é para o bem de todas as pessoas. A sua liderança fortaleceu a todos nessa crença e continua a chamar à ação para essa crença.

O secretário geral em exercício Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Rev. Prof. Dr. Ioan Sauca, disse que o Arcebispo Tutu foi um contribuinte robusto para o movimento ecumênico em tempos de alegria e de grandes desafios, e ensinou a todos o valor da persistência. ''Agradecemos a Deus por nos ter dado o Arcebispo Tutu durante 90 anos'', disse Sauca. ''Através da sua vida e obra ele tornou-se uma imagem de dignidade e liberdade para todos os seres humanos e inspirou muitos a usar os seus dons e talentos a serviço dos outros e da missão e tarefa profética da igreja.''

O Rev. Frank Chikane, moderador da Comissão de Assuntos Internacionais do CMI, prestou homenagem ao seu homólogo na luta contra o apartheid: ''No Arcebispo Desmond Tutu perdemos um grande profeta de Deus que viveu entre nós e defendeu a justiça - a justiça de Deus para todos - aqui na África do Sul, no continente africano, e em todo o mundo, incluindo a posição contra as injustiças cometidas contra os palestinos em Israel-Palestina, onde outros não se atreveriam a fazê-lo. Agradecemos a Deus pelo seu testemunho profético que vale a pena celebrar em nível nacional e internacional.''

Para além de uma voz poderosa e frontal contra a injustiça, Tutu foi também um profeta do perdão. No seu papel como presidente da Comissão de Verdade e Reconciliação da África do Sul, tornou-se o ''pastor da nação'', como recorda Baldwin Sjollema, antigo chefe do Programa do CMI de Combate ao Racismo. Tutu sublinhou repetidamente que não poderia haver futuro sem perdão. ''Só se pode ser humano numa sociedade humana. Se viveres com ódio no teu coração, desumanizas não só a ti próprio, mas também a tua comunidade,'' disse Tutu.

Os anos de 1972-1975, quando Tutu serviu como executivo do programa do CMI, contribuíram para um ponto de virada no seu pensamento teológico. Quando se juntou ao Fundo de Educação Teológica (TEF) do CMI em Londres, os seus colegas mais antigos - o Shoki Coe de Taiwan e o Aharon Sapsezian brasileiro-armênio - estavam empenhados na promoção da educação teológica centrada nas necessidades das igrejas e congregações do ''Terceiro Mundo''. Esta foi a origem da noção descolonial de ''contextualização''. Tenho a profunda convicção, Sapsezian escreveu nas suas memórias, ''que os seus anos com o TEF e as nossas constantes conversas teológicas abertas contribuíram para a melhoria da sua análise e da sua percepção das injustiças sociais no mundo e no seu continente.''

Sjollema recordou o impacto de Tutu no Programa de Combate ao Racismo do CMI. Nos anos 70, Desmond e eu fomos colegas no CMI, escreveu Sjollema. ''Ele trabalhava para o Fundo de Educação Teológica (TEF) com sede em Londres, enquanto eu trabalhava no controverso Programa de Combate ao Racismo (PCR) em Genebra, que apoiava o movimento de libertação.''

Os dois nem sempre estavam no mesmo comprimento de onda, disse Sjollema.

''Nessa altura, Desmond teve de ter o cuidado de não ser demasiado franco contra o regime de Pretória para não queimar as suas pontes em casa,'' disse ele. ''Mas a sua atitude mudou radicalmente após o seu regresso à África do Sul, quando foi nomeado reitor em Joanesburgo em 1975, um ano mais tarde bispo anglicano de Lesoto, depois Secretário-Geral do Conselho Sul-Africano de Igrejas (SACC) e, finalmente, o primeiro Arcebispo negro da Cidade do Cabo (1987).''

O impacto do arcebispo Tutu na vida do movimento ecumênico e no trabalho do CMI foi fulcral.

Sauca acrescentou: ''Hoje, com a morte de Desmond Mpilo Tutu, o mundo está muito mais pobre. Juntamo-nos ao povo da África do Sul no luto por esta robustez de resistência contra o apartheid. Juntamo-nos à Comunhão Anglicana e a todos os membros da irmandade ecumênica no luto pelo Arcebispo que há tanto tempo tem sido uma voz de liderança da fé cristã, no testemunho da justiça em vez da injustiça e da inclusão em vez da exclusão. E juntamo-nos à família Tutu no luto por um pai, um avô e um marido.''

As convicções e testemunhos de Desmond Tutu, especialmente contra o racismo, discriminação racial e xenofobia, continuam a inspirar os nossos esforços para um mundo livre destes males.

Sauca concluiu ''Convidamos todas as igrejas membros, parceiros ecumênicos e todas as pessoas de boa vontade a celebrar uma vida bem e fielmente vivida ao serviço de Deus e da humanidade, e a manter o seu legado de solidariedade consistente com as comunidades marginalizadas deste mundo.''

Numa visita ao Centro Ecumênico em 2008, Tutu agradeceu ao CMI pela sua ''dispendiosa solidariedade'' no tempo da luta anti-apartheid. ''Não seríamos livres se não fosse o apoio firme do CMI, o que custou muito caro ao CMI,'' disse ele.

Fonte: Conselho Mundial de Igrejas (CMI)
 


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

A fé é um contínuo e persistente olhar para Cristo.
Martim Lutero
REDE DE RECURSOS
+
Ninguém deve fazer tudo o que tem direito a fazer. Cada qual deve olhar para o que é útil e o que é benéfico para o seu irmão, para a sua irmã.
Martim Lutero
© Copyright 2022 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br