Congregação dos Catequistas - CONCAT no Portal Luteranos



ID: 2885

Ser Catequista?

Momentos inesquecíveis

22/09/2014

Mais do que nunca, um hino se fez presente em minha vida neste final de semana: “O Profeta” (Jeremias 1.5-19).

O PROFETA

Antes que eu te formasse no ventre de tua mãe,
Antes que tu nascesses, te conhecia e te consagrei.
Para ser meu profeta entre as nações eu te escolhi,
Irás onde enviar-te e o que te mando proclamarás!
Tenho que gritar, tenho que arriscar,
Ai de mim se não o faço!
Como escapar de ti, como calar,
Se tua voz arde em meu peito?
Tenho que andar, tenho que lutar,
Ai de mim se não o faço!
Como escapar de ti, como calar,
Se tua voz arde em meu peito?
Não temas arriscar-te, porque contigo eu estarei,
Não temas anunciar-me, por tua boca eu falarei.
Hoje te dou meu povo, para arrancar e demolir,
Para edificar, construirás e plantarás!
Deixa os teus irmãos, deixa teu pai e tua mãe,
Deixa enfim teu lar, porque a terra gritando está.
Nada tragas contigo, porque a teu lado estarei;
É hora de lutar, porque meu povo sofrendo está.

Dias 20 e 21 de setembro de 2014. Dois dias simplesmente sensacionais.

Um pouco da minha história

Em 1999, iniciei a Faculdade de Teologia, na Escola Superior de Teologia (EST) em São Leopoldo/RS. Sou a aluna 0001, do curso de Teologia com Ênfase em Educação Cristã. Uma nova proposta de Ministério Compartilhado na IECLB. Quantos sonhos!!! Em 2003 eu me formei, fiz o colóquio e tive a honra de ser uma das três únicas pessoas que passaram sem nenhuma recomendação (aprofundamento de algum tema), entre mais ou menos 60 alunos das três faculdades de formação teológica da IECLB. Quem foram os outros dois alunos? Rubens Stuhr e Nicolau de Paiva.

Portanto, Sou Catequista, devidamente Ordenada como rege o estatuto da IECLB. Meu título aqui: Catequista em Funções Pastorais. Como me chamam? Pastora Traudi.

“Ahh! Como eu queria ser só Catequista”. Muitas vezes repeti essa frase. O que é ser Catequista? Veja o que diz o EMO, Estatuto do Ministério com Ordenação:

“Art. 14. O exercício do ministério catequético tem como específico a educação cristã e consistirá no testemunho do evangelho mediante ensino, instrução, ação pedagógica e discipulado permanente das pessoas, cabendo-lhe especial responsabilidade:
I - na orientação catequética de grupos, particularmente famílias, crianças, jovens, idosos, casais;
II - na educação cristã em atividades como a escola dominical, o culto infantil, o ensino confirmatório e os grupos de jovens;
III - no ensino religioso escolar;
IV - na representação da comunidade junto às escolas;
V - na formação e capacitação teológica e pedagógica dos pais, visando o ensino da palavra de Deus aos filhos e a vivência do evangelho em família e sociedade;
VI - em cursos para novos membros, promoção e coordenação de eventos que visem a formação continuada dos membros, bem como a preparação e capacitação de grupos;
VII - na atuação e assessoria em outros contextos educacionais, tais como departamentos, setores de trabalho, centros de formação, instituições públicas e eclesiásticas.”

Infelizmente - quem sabe por falta de informação -, muitos membros de nossa igreja nem sabem sobre o Ministério Compartilhado.

Então, como não havia vaga para uma catequista fui enviada para assumir funções pastorais, primeiro em Manaus/AM, depois para Linhares/ES. E aqui estou eu: na Paróquia da Missão, litoral norte do Espírito Santo. Se o trabalho é fácil? Não, não é nada fácil. Primeiro porque a paróquia é composta por 4 comunidades e 3 pontos de pregação. Iniciando pelo município de João Neiva, Linhares, Sooretama, Jaguaré (duas comunidades, Jaguaré e São João do Estivado), São Mateus e Nestor Gomes (Km 41, próximo a Nova Venécia). Todos ao longo da BR 101. A maioria dos membros são descendentes de pomeranos, mas já com uma grande mistura de etnias.

Realizo todos os ofícios: batismos, santa ceia, confirmações, bênçãos matrimoniais, sepultamentos, visitas hospitalares, visitas a famílias. Também temos grupos de liturgia, grupos de mulheres, grupos de casais, grupos de jovens, grupos de crianças, grupos de Ensino Confirmatório, faço palestras em escolas públicas, entre outros. Na última semana, entre os dias 17 e 21/09, dirigi de uma comunidade a outra, cerca de 600 km. Então podem ter uma vaga ideia do que é ser pastora aqui.

Mas o que aconteceu de tão diferente no último final de semana?

Então vamos lá: celebramos cultos no Km 41 e em Guriri/São Mateus no sábado, dia 20/9. Os membros que vieram, principalmente em Guriri, estavam felizes na casa do Senhor - cantaram, louvaram, intercederam por parentes, por amigos, pelo mundo todo. O que isso tem de diferente? No caminho de São Mateus para Guriri estava acontecendo a festa de 468 anos do município e, mesmo assim, o templo estava praticamente cheio de pessoas. No Km 41, só uma família não pôde vir ao culto.

As bênçãos de Deus não pararam por aí. No domingo pela manhã, a comunidade de Linhares acordou cedo, e logo o time de lideranças estava no pátio da igreja. Na verdade, esse grupo já esteve aqui no sábado limpando e preparando almoço e café para os membros e para um grupo que viria nos visitar.
Poucas pessoas, pois a comunidade cerca de 20 famílias e, dessas, como é normal, apenas uns poucos auxiliaram.

E, então, eles chegaram: em torno de 90 pessoas vindas da Paróquia Aliança, sob os cuidados do presidente da paróquia e o seu pastor. Entre eles estavam o coro de trombones, o grupo de canto e o coral de vozes - e os sorrisos começaram a aparecer aos poucos nos rostos de todos.

O culto iniciou com o coral de trombones recebendo os ministros, Cat. Traudi e P. Jorge. Foi uma alegria atrás da outra. O P. Jorge pregou sobre o livro de Hb 10.25, “Não deixemos de nos congregar como igreja, segundo o costume de alguns, mas encorajemo-nos uns aos outros.” Logo após o culto, fomos todos almoçar e nossos visitantes nos apresentaram mais uma surpresa: recuperando a cultura pomerana, alguns casais se embalaram aos passos de uma dança trazida ao Brasil pelos imigrantes há cerca de 150 anos, agora sendo resgatada em sua história.

Logo depois nos dirigimos até a Comunidade em São João do Estivado, pois os membros de lá e de Jaguaré nos aguardavam para mais um culto, às 15h. Entre os nossos amigos visitantes, poucos conheciam a região e se deslumbraram com a beleza das águas de Linhares e de toda a região.

No culto em Estivado, as expressões de alegria e grande prazer também eram vistas em todos os lados e muitos membros se penduraram nas janelas, se apertaram nas portas e dentro do templo para poder, não só assistir, mas participar de toda aquela celebração.

Por que considero essa experiência tão especial? Porque não fizemos um “show da fé”, não fizemos um “show de curas”, não “expulsamos nenhum demônio”. Quem ali estava viveu sua fé de uma forma tão ampla e pura que não havia espaço para “shows”. Ninguém ordenou a Deus para que realizasse um show de curas. Sem um show nós fomos curados da alma, do espírito e nos sentimos motivados a interceder por amigos, familiares, pelo estado, pelo país. Na verdade, intercedemos por toda a criação divina e sabemos que fomos ouvidos por Deus.

Não foi necessário expulsar nenhum demônio porque, na nossa igreja, Deus está presente, Deus está no comando, então, não tem ninguém para ser expulso.

Foi simplesmente maravilhoso. Muitos hinos de louvor. Muitas lágrimas de alegria vistas em quase todas as pessoas que ali estavam. A emoção tomou conta das pessoas nas duas comunidades.

E assim, volto ao texto bíblico que na verdade me motivou a iniciar, com 39 anos de idade, a Faculdade de Teologia, para me tornar uma CATEQUISTA.
Catequista? Pastora? Diácona? Missionária? Não importa mais, sou feliz cumprindo minha tarefa. Não importa qual o título, importa sim é que para realizá-la conto com o auxílio e a presença de Deus e, ainda, das pessoas que Deus coloca em meu caminho para me animar, fortalecer, empurrar para frente quando os problemas surgem e dar forças quando o cansaço for muito grande.

“Quando o Senhor restaurou a sorte de Sião, ficamos como quem sonha. Então, a nossa boca se encheu de riso, e a nossa língua,de júbilo; então, entre as nações se dizia: Grandes coisas o Senhor tem feito por eles. Com efeito, grandes coisas fez o Senhor por nós; por isso estamos alegres.” (Sl 126.1-3)

 

Ministra Traudi M. Kraemer
Linhares/ES 22 de setembro de 2014
 

Devemos orar com tanto vigor como se tudo dependesse de Deus e trabalhar com tanta dedicação como se tudo dependesse de nosso esforço.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br