Jornal Evangélico Luterano

Ano 2019 | número 828

Terça-feira, 25 de Junho de 2024

Porto Alegre / RS - 02:01

Perspectiva - Profa. DRA. Ema Marta Cintra

Conseguimos praticar a nossa fé cristã?

Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher, pois todos são um em Cristo Jesus (Gl 3.28).

Em maio, participei de uma Ciranda Ecumênica. Foi um encontro de parte da diversidade religiosa brasileira. Havia pajé indígena, representantes da religiosidade de matriz africana, denominações cristãs, espíritas, entre outras. Nesse espaço de fraternidade espiritual, somaram-se vozes em um único objetivo: pedir a bênção de Deus às pessoas e ao Brasil.

A celebração iniciou-se com todos e todas de mãos dadas, dançando uma ciranda, em um embalo suave e cadenciado que lembrava o ritmo do coração e foi cantado assim: Vou construindo uma rede solidária/Que vive o sonho de uma vida melhor! / A rede cresce no sonho da liberdade / De unir nossas utopias, vidas, mãos e corações! / Essa ciranda não é minha só, ela é de todos nós, ela é de todos nós! / A utopia é que nos uniu, para viver e cantar o sonho em uma só voz. /Para esta ciranda, juntamos mãos com mãos / Unimos sonho e vida / Na força da ação. Envolvimento profundo!

Em seguida, quem quisesse, externava o seu desejo: foram feitos pedidos por paz, saúde, educação, respeito, solidariedade, valorização da agricultura familiar, não à intolerância religiosa, busca do diálogo fraterno, moradia e alimento no prato de todo mundo.

Ao se pronunciar, uma das participantes disse que carregava tudo aquilo que a sociedade julga preconceituosamente: é negra, mulher, a sua religião é de matriz africana, é filha de mãe solteira e, na sua certidão de nascimento, está escrito ‘pai desconhecido’. Ela traz muitas dores imputadas por aqueles e aquelas que ainda não conseguiram ver em cada pessoa um filho amado e uma filha amada por Deus.

Como se a pele, a religião e o gênero determinassem quem pode fazer parte da sociedade: as pessoas escolhidas! Escolhidas não por Deus, mas, sim, por uma soberba enorme daqueles que pensam que a cor da pele determina quem é melhor ou pior, por aqueles que acham que o homem é superior à mulher, por aqueles que não conseguem respeitar uma fé diferente da sua. Deus, em Jesus, escolheu justamente as pessoas excluídas: crianças, mulheres, estrangeiras, menosprezadas pela sociedade, empobrecidas. Quem estava à margem, Deus acolheu!

Quanto a nós... Quais são os nossos posicionamentos em relação às dores que essa mulher carrega e está em muitas pessoas bem perto de nós? Temos julgado com mão forte ou conseguimos praticar aquilo que é determinante na nossa fé cristã? Somos ou não somos pessoas cristãs: não existe meio termo! Não existe aceitar tal situação em determinado momento ou espaço, pois, para Deus, não há acepção de pessoas (Rm 2.11).

Profa. Dra. Ema Marta Dunck Cintra | Docente no Instituto Federal de Mato Grosso e Presidente do Concílio da Igreja 

Ultima edição

Edição impressa para folhear no computador


Baixar em PDF

Baixar em PDF


VEJA TODAS AS EDIÇÕES


Gestão Administrativa

Ser Igreja de Jesus Cristo em contexto de pandemia

Em perspectiva de balanço do ano que passou, compartilhamos, de forma adaptada e atualizada, partes da Carta Pastoral da Presidência, de Pastoras e Pastores Sinodais, publicada em agosto de 2020. A partir de março de 2020, passamos a conviver com a pandemia do Covid-19, (+)



Educação Cristã Contínua

Igreja que valoriza o Sacerdócio Geral (parte 3/3)

Desafios Com base nas atividades que estão sendo realizadas e considerando o cenário atual, a Coordenação de Educação Cristã (CEC) vislumbra os seguintes desafios para a efetivação da Meta Missionária 1 (Áreas de prioridade (+)

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc
É por meio de Cristo que somos aceitos por Deus, nos tornamos o povo de Deus e somos salvos.
1Coríntios 1.30b
© Copyright 2024 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br