Jornal Evangélico Luterano

Ano 2016 | número 797

Terça-feira, 25 de Junho de 2024

Porto Alegre / RS - 02:06

Comportamento

Gênero na missão da Igreja

...em qualquer lugar do mundo
onde o Evangelho for anunciado,
será contado o que ela fez,
e ela será lembrada.
(Marcos 14.9)

   Por muitas vezes, pessoas experimentaram a presença de Deus somente por meio de Palavras ouvidas e mediadas por profetas ou a partir de elementos da natureza. Com Moisés, Deus se comunicou por meio da sarça ardente. Com o profeta Elias, que pensava encontrar Deus na força da tempestade, Deus se comunicou a partir da brisa suave. Na manhã da Páscoa, ao caminhar por entre as plantas do jardim, Maria se surpreendeu ao ser chamada pelo nome. Era o próprio Jesus revelando-se como o ressuscitado.

   Com frequência, Jesus dizia: Quem tem ouvidos, ouça! O apóstolo Paulo ensinava que a fé vem pelo ouvir do Evangelho. Faz sentido quando, de forma corajosa, Pedro e João, diante das autoridades, afi rmavam que não podiam deixar de falar sobre o que viram e ouviram do amor de Deus. Foi assim que surgiam as primeiras Comunidades cristãs como núcleos de pessoas ouvintes das histórias da salvação. 

   Ouvir o Evangelho aproxima o passado para torná-lo presente. Esta memória do passado que traz novidade, que abre esperança no presente e que empurra para frente é memória que precisa ser contada. Por esse motivo, Jesus diz: ... em qualquer lugar do mundo onde o Evangelho for anunciado, será contado o que ela fez, e ela será lembrada.

   A mulher de Betânia, a qual Jesus se refere, será eternamente lembrada por seu testemunho de fé, por sua ousadia e por seu amor, por sua capacidade de despojar-se em favor do Reino, de enfrentar olhares recriminatórios em favor da vida, entregando a Jesus, não as sobras de um dia, mas o que demais precioso tinha.

   Semelhante à mulher de Betânia, há muitas histórias para serem ouvidas e contadas. Histórias de mulheres que vivem ou viveram em situação de violência. Histórias permeadas de medo, de ameaças, de cumplicidade no silêncio que não permite transformar a realidade violenta. Histórias de mulheres e homens que se unem para romper com o silêncio e, em um ato público de indignação, denunciar todos os tipos de violência que atingem as mulheres, as crianças, as pessoas jovens, as pessoas idosas. Histórias como a de Maria da Penha, que, ao ser contada e ouvida, reuniu apoio, mobilizou pessoas, colocou sinais de esperança no mundo, ao transformar a sua dor em leis de proteção e garantia à vida digna de toda mulher.

   A cada encontro que promovemos na Igreja, seja de um grupo, seja em uma visita, histórias são ouvidas e contadas. No encontro de Ministras da IECLB, ocorrido em novembro do ano passado, importante para a nova geração foi perceber que, à semelhança da mulher de Betânia, colegas ousaram, arriscaram, investiram o que de precioso tinham para abrir caminho à Ordenação de mulheres. Um caminho que precisa ser continuado, refletido e abraçado pelas novas gerações, não só de mulheres, mas também de homens.

   Se, por vezes, pensamos não ser mais necessário abordar conceitos e temas ligados ao ‘feminismo, à teologia feminista, às relações de gênero’, porque os considerávamos suficientemente maduros, o contexto atual revela que, tanto no passado quanto no presente, há uma necessidade urgente de nos posicionarmos de forma criativa e propositiva frente às relações humanas, em diferentes situações e espaços na família, nas instituições, na sociedade, na Comunidade.

   Resgatar a memória ajuda a entender o presente e a planejar o futuro, por isso é tão importante narrar a história. História de pessoas que protagonizam em favor da vida é, sem dúvida, realidade que nasce da Palavra de Deus, é realidade que precisa ser contada adiante, é Evangelho que liberta, edifica e promove a Igreja de Jesus Cristo no mundo.

   Nesse propósito, a IECLB, em parceria com a Faculdades EST, tem promovido a Campanha Em comunhão com as viDas das mulheres. Além de resgatar a história de mulheres que fizeram e fazem a história da Igreja, colocando os seus dons e as suas habilidades a serviço do Evangelho, a Campanha dá visibilidade às suas formas de viver e participar na Igreja e da sociedade, no passado e na atualidade, valorizando o papel das mulheres nesses espaços.

Ao resgatar as histórias de vida das mulheres luteranas, a história das nossas avós, mães, tias, irmãs, filhas, vizinhas, registramos o conhecimento e a experiência dessas mulheres e o que elas têm a nos ensinar a partir da sua fé e vida. É uma forma de sair do anonimato, dar voz a quem, em muitas situações e por um longo tempo, não teve voz.

   Mulheres luteranas de todas as gerações, que atuam em diferentes atividades na Igreja e na sociedade, podem participar da Campanha. Saiba como acessando o link no Portal Luteranos .

Passos na caminhada

   Há muito tempo, mulheres pleiteavam na IECLB a criação de uma Secretaria que tratasse de temas específicos relacionados às mulheres, reunisse informações a respeito do trabalho de mulheres na Igreja, articulasse o diálogo, a interação e a proximidade entre os diferentes grupos de trabalho com mulheres na IECLB.

Pela Justiça de Gênero

   Fruto dessa mobilização, em 2005, foi criada a Coordenação de Gênero. Em 2008, uma pessoa foi designada para conduzir os trabalhos da Coordenação, inicialmente com o propósito de acompanhar e promover a aproximação entre os grupos de mulheres da IECLB. Mais tarde, as metas incluíam a educação na área de gênero para mulheres e homens, a sensibilização e a superação da violência contra as mulheres e o acompanhamento de questões ligadas a HIV-Aids, Gerações (pessoas idosas) e Etnias.

Geração JE na missão da Igreja

   O tema da Justiça de Gênero – compreendido como a proteção da dignidade e a busca pela equidade de direitos e oportunidades para homens e mulheres – é  a base do trabalho da Coordenação. Para isto, ela se orienta pelas Cartas Pastorais emitidas pela Presidência, pela Política de Justiça de Gênero da Federação Luterana Mundial (FLM) e pela Cartilha de Estudos sobre Gênero, publicada pela IECLB.

   Em diálogo com ecumene, organismos governamentais e sociedade civil, a IECLB, por meio da Coordenação de Gênero, Gerações e Etnias, busca promover e incrementar a justiça de gênero em seu meio e na sociedade a partir de ações de formação, produção de material, divulgação de conhecimento, pesquisa, articulação em redes e a transversalidade da temática.

Pa. Carmen Michel Siegle

   Pa. Carmen Michel Siegle, formada em Teologia pela Faculdades EST, em São Leopoldo/RS. Atua como Coordenadora de Gênero, Gerações e Etnias, na Secretaria da Ação Comunitária (SAC), da Secretaria Geral da IECLB, em Porto Alegre/RS

 

 

 

 

 

Ultima edição

Edição impressa para folhear no computador


Baixar em PDF

Baixar em PDF


VEJA TODAS AS EDIÇÕES


Gestão Administrativa

Ser Igreja de Jesus Cristo em contexto de pandemia

Em perspectiva de balanço do ano que passou, compartilhamos, de forma adaptada e atualizada, partes da Carta Pastoral da Presidência, de Pastoras e Pastores Sinodais, publicada em agosto de 2020. A partir de março de 2020, passamos a conviver com a pandemia do Covid-19, (+)



Educação Cristã Contínua

Igreja que valoriza o Sacerdócio Geral (parte 3/3)

Desafios Com base nas atividades que estão sendo realizadas e considerando o cenário atual, a Coordenação de Educação Cristã (CEC) vislumbra os seguintes desafios para a efetivação da Meta Missionária 1 (Áreas de prioridade (+)

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc
Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma, com toda a mente e com todas as forças.
Marcos 12.30
© Copyright 2024 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br