Jornal Evangélico Luterano

Ano 2016 | número 801

Quarta-feira, 12 de Junho de 2024

Porto Alegre / RS - 12:58

Atualidade - P. Oneide Bobsin

Natal sem medo

   Uma mulher branca e bem-arrumada faz a limpeza da cozinha. Um homem branco cuida do jardim da casa. Um homem com terno e gravata caminha na rua. Perguntados por uma equipe de entrevistadores sobre quem são estas pessoas. As respostas foram claras: ‘A mulher é a dona da casa’, ‘O homem é o dono da casa’ e ‘A pessoa com terno e gravata é um empresário’. Com as mesmas roupas e nas mesmas situações, pessoas negras são colocadas no lugar daquelas brancas. Vejam o resultado: ‘A mulher negra é uma doméstica’, ‘O homem negro que cuida do jardim é um empregado’ e ‘O homem negro com terno é uma vigilante de um shopping’.

   Esta pesquisa, feita por um órgão do Governo do Paraná, não deixa dúvida que o racismo está encravado nas nossas vidas. Em outra oportunidade, um canal de televisão simulou um homem pobre e negro desmaiado na rua. As pessoas passavam ao largo, assim como o fizeram o levita e o sacerdote diante do homem assaltado. O mesmo ator, mas barbeado e com terno e gravata, simula um desmaio na rua. Logo é atendido.

   Somente estes dados já justificam o Dia da Consciência Negra, data celebrada no Brasil no dia 20 de novembro e incluída na Semana da Consciência Negra, quando escrevo este artigo já em ‘clima’ antecipado de Natal em lojas das nossas cidades.

A vinda do Messias coloca por terra o preconceito

   Esses casos revelam uma sociedade de maioria que se diz cristã e faz Ceia de Natal, mas marcada pelo medo de quem é diferente, pelo preconceito racial. Cabe sempre se perguntar: Como é possível festejar o Natal com medo do outro, especialmente do pobre, do migrante, do estranho? Quem deve ter medo de quem? Será que o outro que não cabe em nosso mundo também não está com medo da gente?

   Entre os antepassados de Jesus, estão pessoas que, hoje, seriam criticadas e não fariam parte da nossa Ceia. Mateus abre o Evangelho falando sobre os antecedentes de Jesus. Tem gente importante, como Abraão, Davi e Salomão, mas há mulheres suspeitas por suas condutas e por serem estrangeiras, como Tamar, Raabe e Batseba. Por fim, José, um carpinteiro, e Maria, uma jovem sem referência social. Excluindo Abraão e os reis, as demais pessoas da genealogia de Jesus poderiam tomar o lugar daquelas pessoas negras do início da história.

   A genealogia de Jesus (Mateus 1.1-17) prenuncia a vinda do Messias, que torna o convívio sem medo entre as pessoas diferentes e coloca por terra o preconceito.

Ultima edição

Edição impressa para folhear no computador


Baixar em PDF

Baixar em PDF


VEJA TODAS AS EDIÇÕES


Gestão Administrativa

Ser Igreja de Jesus Cristo em contexto de pandemia

Em perspectiva de balanço do ano que passou, compartilhamos, de forma adaptada e atualizada, partes da Carta Pastoral da Presidência, de Pastoras e Pastores Sinodais, publicada em agosto de 2020. A partir de março de 2020, passamos a conviver com a pandemia do Covid-19, (+)



Educação Cristã Contínua

Igreja que valoriza o Sacerdócio Geral (parte 3/3)

Desafios Com base nas atividades que estão sendo realizadas e considerando o cenário atual, a Coordenação de Educação Cristã (CEC) vislumbra os seguintes desafios para a efetivação da Meta Missionária 1 (Áreas de prioridade (+)

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc
Deus enxerga as profundezas do coração, enxerga mais profundamente que nós.
Martim Lutero
© Copyright 2024 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br