Comunhão Diaconal



ID: 2796

Um pouco da história de São Lourenço

21/08/2017

Igreja São Lourenço - Neuendettelsau - Alemanha
Mosaico no interior da igreja São Lourenço em Neuendettlesau
Mosaico no interior da igreja São Lourenço em Neuendettlesau
1 | 1
Ampliar


Durante a nossa viagem de intercâmbio em maio de 2017, conhecemos muitas instituições diaconais e trabalhos diaconais de comunidades da Igreja Luterana da Alemanha. Entre as muitas visitas, também catedrais e lindas pequenas e grandes igrejas fizeram parte do itinerário. Em Neuendetelsau, visitamos a Igreja de São Lourenço e vimos um lindo painel retratando a história deste diácono. Compartilho com os leitores esta história, escrita pela Diácona Angela Lenke, que fez parte do grupo de viagem.

Viagem intercâmbio da Comunhão Diaconal / IECLB
 Pelo grupo: Diácona Marli Clair Blos


São Lourenço de Huesca ou São Lourenço nasceu na Espanha em 225 d.C. e morreu como mártir em 10 de agosto de 258 d.C. em Roma. Foi um dos sete primeiros diáconos da Igreja Cristã e era responsável pelo tesouro da Igreja de Roma. Era conhecido pela sua alegria por onde passava. Sua função na igreja era distribuir os bens ajudando pessoas empobrecidas, enfermas, idosas, crianças.

No ano 257 o imperador romano Valeriano decretou a perseguição aos cristãos, detendo e decapitando no ano seguinte o Papa Sisto II com o qual São Lourenço servia. Conta-se que, enquanto o Papa Sisto II era levado, o diácono ia junto e chorava: “aonde vai sem seu diácono, meu pai?” ao qual o pontífice respondeu “Não pense que te abandono, meu filho, pois dentro de três dias me seguirá”. Após a execução do Papa, o imperador ameaçou a igreja a entregar todos os seus bens num prazo de três dias. Passado esse prazo, São Lourenço levou até o imperador os órfãos, as viúvas, pessoas com deficiência, outras pessoas que recebiam ajuda da igreja e muitos fiéis. E disse, com humor: “Eis aqui os nossos tesouros, que nunca diminuem, e podem ser encontrados em toda parte”. O imperador ficou furioso e mandou que fosse açoitado e queimado vivo numa grelha. Conta-se que ainda em cima das brasas, mantinha sua alegria: “podem-me virar agora, porque desse lado já estou bem assado”.

Segundo o Santo Agostinho, foi o amor de São Lourenço por Cristo e seu desejo de unir-se a Ele que lhe fez esquecer as torturas. Afirma também que muitas orações de São Lourenço foram atendidas em Roma. São Lourenço era tão amado que mais de 300 igrejas receberam seu nome e aparece no cânone da missa católica. O imperador Constantino ergueu a primeira capela no local do seu sepultamento em Ciriaca, aonde hoje existe a Basílica de São Lourenço Extramuros. O que o diácono Estevão (Atos 6) representa para Jerusalém, isso o diácono Lourenço representa para Roma. Geralmente, São Lourenço é representado com coroa de louro e grelha. A coroa de louro era o símbolo dos que venciam em competições, no caso a fidelidade a Cristo, e a grelha que lembra da sua tortura.

Achei interessante compartilhar um pouco da história da Igreja Antiga para percebermos, assim como o diácono Lourenço e o próprio Estêvão lembraram, que a igreja recebe de Cristo a vocação para amar e servir. Não os adoramos, como luteranos, mas são exemplos para nossa vida de fé. Que sigamos fiéis, alegres e dispostos para amar.

( Diác. Angela Lenke - Depto de Diaconia e Assistência Social/ Joinville/SC)
 


Autor(a): Angela Lenke
Âmbito: IECLB
Área: Missão / Nível: Missão - Diaconia / Organismo: Comunhão Diaconal
Natureza do Texto: Artigo
ID: 43404
Assim diz o Senhor: Buscai-me e vivei.
Amós 5.4
© Copyright 2022 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br