João 12.12-16 - Domingo de Ramos - Domingo da Paixão - 24/03/2024

17/02/2024

24/03/2024 - Domingo de Ramos - Domingo da Paixão
Pregação: João 12.12-16; Leituras: Salmo 118.1-2,19-29* Marcos

11.1-11

Miss. Jéssica Lidia Gielow Melz – Porto dos Gaúchos – MT
LITURGIA DE ABERTURA
ACOLHIDA
Bom dia! Sejam todos bem-vindos! Que a graça e a paz do nosso Senhor Jesus Cristo estejam
conosco nesse tempo de culto! O próprio Deus nos chamou para estarmos aqui como
comunidade de fé e cremos que assim ele está presente. Saúdo a cada um com as palavras de
João 2.23: Jesus respondeu: “Chegou a hora de ser glorificado o Filho do homem.”
De uma maneira muito especial, queremos saudar os visitantes aqui presentes, sejam bem-
vindos, para nós a presença de vocês é motivo de grande alegria, sintam-se acolhidos!
Cantamos o hino Bom estarmos aqui, que nos lembra o nosso propósito de louvar e adorar a
Deus.

CANTO DE ENTRADA
Nº 7 - LCI – Bom estarmos aqui

SAUDAÇÃO
Reunimo-nos aqui nesse culto em nome e na presença do Deus Pai, Criador e Soberano sobre
todas as coisas, Filho, nosso Senhor e Salvador e Espírito Santo, nosso santificador!

CANTOS DE INVOCAÇÃO
Nos preparando para confessarmos nossos pecados a Deus, queremos cantar o hino Conforme
a tua infinita graça, como uma expressão do nosso desejo real de que Deus transforme nossa
vida e nos perdoe dos pecados.
Nº 41 - LCI – Conforme a tua infinita graça

CONFISSÃO DE PECADOS
Convido aqueles que puderem para colocarem-se em pé! Queremos confessar ao nosso Deus
nossos pecados e transgressões, com sinceridade do nosso coração nesta oração:
Misericordioso Deus, a tua palavra nos diz que tu és bondoso e perdoador, por isso, nos
achegamos a ti para confessar nossas iniquidades. Reconhecemos diante de ti que somos
pecadores, que muitas vezes escolhemos caminhar longe de ti e seguimos os desejos do
pecado. No entanto, queremos apresentar os nossos pecados e pedir-te perdão. Sabemos que
és um Deus fiel e que pelo sacrifício de Cristo podemos ser perdoados e salvos. Derrama sobre
nós teu Santo Espírito e santifica-nos. Assim oramos em nome de Jesus. Amém!

ANÚNCIO DO PERDÃO
Em 1 João 1.9 diz: Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos
pecados e nos purificar de toda a injustiça. Por isso, anunciamos a todos que confessaram seus

pecados, com humildade e sinceridade, o perdão dos pecados em nome do Pai, do Filho e do
Espírito Santo. Amém!

KYRIE
Como pessoas perdoadas e renovadas pela graça de Deus, olhamos à nossa volta e nos
compadecemos com o sofrimento de tantas pessoas e de toda a criação que sofre e geme. Por
isso, cantamos juntos:
Nº 56 – LCI - Pelas dores de mundo, ó Senhor

GLÓRIA IN EXCELSIS
Glória ao nosso Deus que é Santo e Soberano. Glória ao nosso Deus que é digno de todo louvor
e adoração. É ele que nos dá a vida, nos sustém e nos oferece o perdão, a salvação e a vida
eterna em Cristo Jesus. Glorificamos o nome de Deus, cantando:
Nº 113 – LCI - Senhor, tu tens sido nosso refúgio

ORAÇÃO DO DIA
Bondoso Deus e Pai, que a tua palavra encontre terreno fértil em nossa vida. Aquieta, Senhor,
nossos pensamentos, angústias e nossa ansiedade para que possamos estar atentos a tua
palavra e nela buscar a orientação para nossa vida. Revela-te a nós e dá-nos o entendimento
do teu amor, da tua palavra e da salvação. Em nome do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo
que oramos. Amém.

LITURGIA DA PALAVRA
LEITURAS BÍBLICAS
1ª Leitura Bíblica: Salmo 118.1-2,19-29
2ª Leitura Bíblica: Marcos 11.1-11
3ª Leitura Bíblica: João 12.12-16

CÂNTICO INTERMEDIÁRIO
Nº 148 - LCI – Felizes os que ouvem
PREGAÇÃO
Querida comunidade, hoje celebramos Domingo de Ramos! Celebramos essa data lembrando
que Jesus entrou triunfante na cidade de Jerusalém um domingo antes da Páscoa, um
domingo antes da sua ressurreição. Esse dia foi muito importante porque a multidão clamou,
reconheceu e louvou a Cristo dizendo Hosana, Hosana, bendito aquele que vem em nome do
Senhor! Por isso, convido para juntos lermos a passagem bíblica:
No dia seguinte, a grande multidão que tinha vindo para a festa ouviu falar que Jesus estava
chegando a Jerusalém. Pegaram ramos de palmeiras e saíram ao seu encontro, gritando:
“Hosana!” “Bendito é o que vem em nome do Senhor!” “Bendito é o Rei de Israel!” Jesus conseguiu
um jumentinho e montou nele, como está escrito: “Não tenhas medo, ó cidade de Sião; eis que o
seu rei vem, montado num jumentinho”. A princípio seus discípulos não entenderam isso. Só depois
que Jesus foi glorificado, perceberam que lhe fizeram essas coisas, e que elas estavam escritas a
respeito dele. A multidão que estava com ele, quando mandara Lázaro sair do sepulcro e o

ressuscitara dos mortos, continuou a espalhar o fato. Muitas pessoas, por terem ouvido falar que
ele realizara tal sinal miraculoso, foram ao seu encontro. João 12.12-18
Quem era essa multidão de gente que louvou dizendo Hosana, Hosana, bendito aquele que
vem em nome do Senhor? Esse agrupamento era composto por muitos cidadãos de Jerusalém,
mas também por muitas pessoas que estavam visitando Jerusalém. Por ocasião da Festa da
Páscoa judaica muitas pessoas estavam em visita na cidade. Isso significa que muitas pessoas
estavam ali em clima de viagem, em clima de festa, num período onde as emoções estão mais
sensíveis. Isso é muito legal, essa festa era muito importante para o povo judeu, era tempo de
celebrar. Afinal, a Páscoa - a festa dos pães sem fermento - era a comemoração da libertação
do povo judeu do Egito. Agora eles não eram mais escravos, mas foram livres poderosamente
pela mão forte de Deus. Esse era o motivo da celebração.
Mas apesar de todos estarem nesse clima de festa, Jesus sabe que a sua hora está chegando.
Ele sente a pressão e o peso de aproximar-se o dia em que ele sabe que vai ser entregue para
sofrer e morrer por nós. Mas só ele entende isso!
Essa multidão tem ouvido falar de Jesus! Jesus - aquele que tem curado pessoas, realizado
inúmeros milagres, expulsado demônios, tem pregado e ensinado. Pouco antes desse dia,
Jesus havia ressuscitado Lázaro, algo que encantou a todos e isso se espalhou rapidamente
entre as pessoas daquele lugar. Jesus é aquele que livra as pessoas da morte. Jesus é aquele
que cura. Jesus é aquele que nos vê no sofrimento e alivia as nossas cargas. Jesus é aquele que
vem em nome de Deus.
Essa multidão vê Jesus entrando na cidade de Jerusalém e pega ramos de palmeiras e grita
Hosana, Hosana, bendito aquele que vem em nome do Senhor. O que essa multidão está
dizendo: Jesus é o nosso escolhido, ele é o nosso Rei! Ele vem do Senhor Deus, é o Messias
prometido. Finalmente, é ele que Deus nos concede para nos libertar!
Que lindo! A multidão reconheceu que Jesus é o Senhor! Pena que isso não durou muito.
Passou-se a semana e, na sexta-feira santa, essa mesma multidão que reconheceu Jesus como
o Messias prometido estava gritando Crucifica-o! Crucifique-o!
Mas antes de continuar a entender quem era essa multidão, ali junto estavam os discípulos.
Eles faziam parte da multidão, mas não eram somente a multidão. Na verdade, quando lemos
os evangelhos vemos que, em muitos momentos, uma multidão seguiu Jesus. Muitas
multidões estavam interessadas em ver e vivenciar os milagres, as curas, as maravilhas que
este homem fazia. Mas, de igual modo, quando lemos os evangelhos vemos que alguns,
chamados por Jesus, mesmo estando na multidão, quando ouvem a voz do bom pastor, saem
dela para fazer parte de um relacionamento mais íntimo. Os discípulos são parte da multidão,
mas não são somente a multidão. São amigos chegados de Cristo.
A multidão até seguia Jesus, mas o relacionamento de Cristo com seus discípulos era muito
mais intenso, é vivência de compromisso, de pessoalidade, de andar juntos, de aprender, de
estar em vulnerabilidade e submissão ao mestre. O acontecimento que estava na “boca do
povo” por aqueles dias, assim como já mencionado, foi a ressurreição de Lázaro. Uma multidão
viu o milagre, mas foi Lázaro, seu amigo, que vivenciou profundamente ser posto de volta à
vida por Cristo.
Por isso, cabe a nós uma pergunta. Hoje, quem é você na multidão? Mais um que se contenta
em ver de longe os ensinamentos de Cristo, que se agrada em ver, afastado, os milagres
acontecem, alguém que, assim como a multidão, reconhece Jesus como Messias, mas depois
muda de opinião? Ou tem sido aquele que sai da multidão, pelo chamado de Jesus, e o segue
fielmente, se tornando um verdadeiro discípulo de Jesus?

As pessoas clamam pelo Messias, mas de fato não creem nele. Já seus discípulos estão
vivenciando coisas magníficas. Imaginem só, Jesus lhe pede para buscar um jumento que
estará lá na frente. Que pensamentos não passaram pela mente de seus discípulos. Mas será
que o dono vai deixar levar? Onde vai estar o jumento? Como isso vai dar certo? O que vemos é
que os discípulos obedecem, por quê? Porque já conviveram tempo suficiente com Jesus para
saber que mesmo que eles tenham dúvidas, confiam em Cristo porque ele é poderoso e não
mente. Mesmo que seja difícil, podem crer porque o Senhor falou, assim acontecerá. Isso é fé,
confiança, relacionamento e intimidade.
Quando a hora aperta, a multidão grita crucifica-o, os discípulos amedrontados fogem porque
perderam o seu mestre e não sabem como lidar com a situação, porque verdadeiramente
criam que ele é o Messias. Mas a multidão o manda para a morte porque esse Messias eles não
querem.
Por que a multidão não quer Jesus como seu Messias? Porque Jesus não veio da maneira como
eles esperavam! Jesus não se posicionou com a intenção de formar um exército para dominar a
terra, nem se rebelar contra o Império Romano. A verdade é que o povo ficou decepcionado.
Eles esperavam um Messias que reinaria como Davi. Um lutador, um guerreiro que poria fim a
submissão a Roma. Quando, na verdade, a vinda de Jesus não foi para nos libertar somente
das opressões terrenas, mas do domínio do pecado, da morte e do diabo. Foi para isso que
Cristo veio! Nossa salvação não está em vencer guerras humanas, mas em vencer guerras
espirituais e foi contra elas que Jesus lutou e venceu.
Quem somos nós na multidão, pode ser respondida também em como nós queremos Jesus? O
povo queria um Jesus que viesse para tomar o poder contra Roma. O povo queria que Jesus
montasse um exército. O povo queria um Jesus que lutasse. E como Jesus veio? Humilde!
Humilde numa manjedoura! Humilde num jumento! Humilde numa cruz!
Podemos logo pensar: que multidão desinformada! Nós não somos assim! Será? Que
expectativas temos de Jesus hoje? Parece que, às vezes, buscamos um Jesus que esteja
conosco somente aos domingos, no convívio comunitário. Ou então um Jesus que faça todas
as coisas à nossa vontade. Um Jesus que sirva aos nossos desejos. No entanto, se essa é nossa
expectativa, nos frustraremos tal qual a multidão. Em momento algum Jesus prometeu ser
alguém que serve à nossa expectativa, mas um fiel servo de Deus e de seu propósito.
Por isso, para adorar a Deus, adorar a Cristo, é preciso vivermos na prática o que João 4.23 diz:
Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em
verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Não é segundo minha verdade, mas
segundo a verdade dele! Pois ele é a verdade, sua palavra é a verdade.
Muitos dizem amar a Deus, mas não o tem em primeiro e único lugar em suas vidas.
Muitos dizem crer em Jesus, mas nunca se arrependeram dos seus pecados.
Muitos dizem ter Jesus como seu Senhor e Salvador, mas vivem segundo os seus desejos e a
vontade do pecado sem se incomodar.
Muitos dizem ser seguidores de Cristo, mas não fazem nunca sua vontade, nem tem intimidade
com ele. Não oram, não meditam, não buscam comunhão, muito menos testemunham do amor
de Deus.
Não basta falar “da boca para fora” que Deus é tudo! A multidão também proclamou! É preciso
adorar a ele em Espírito e em Verdade. Porque se assim não for, um domingo estamos dizendo
Hosana, Hosana, bendito aquele que vem em nome do Senhor e na sexta-feira estaremos
dizendo crucifica-o!

Quem é você na multidão? Aquele que “adora” a Deus conforme quer, mas não conforme Deus
requer! Aquele que ora grita ele é o Senhor, ora grita mata ele! Ou é aquele que saiu da
multidão e foi ter um relacionamento íntimo, de fé e graça, de acompanhar e viver com Cristo.
Cristo chama a cada um de nós! Sua vida, seu ministério, seu sacrifício foi por Deus nos amar
incondicionalmente. Jesus veio para se oferecer em sacrifício que nos perdoa dos nossos
pecados, de nossa culpa. Creia, com fé, que Jesus é o único que pode salvar-nos do pecado.
Receba, pela graça de Deus, o perdão, a salvação e a promessa que, na vida eterna, quem crê
no filho de Deus, tem acesso a presença gloriosa de Deus Pai, Filho e Espírito Santo.
Saia da multidão e viva precisamente num relacionamento vivo, íntimo e precioso com o
Senhor da vida!

HINO
Nº 421 -LCI – Hosana Hei, Hosana Ha!

CONFISSÃO DE FÉ
Como expressão de nossa fé, convido para juntos confessarmos nossa fé nas palavras do
Credo Apostólico que dizem:
Creio em Deus, Pai todo-poderoso,
Criador do céu da terra.
E em Jesus Cristo, seu Filho unigênito, nosso Senhor,
O qual foi concebido pelo Espírito Santo,
Nasceu da virgem Maria,
Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos
Foi crucificado, morto e sepultado,
Desceu ao mundo dos mortos,
Ressuscitou no terceiro dia,
Subiu aos céus e está sentado à direita de Deus Pai, todo poderoso
De onde virá para julgar os vivos e os mortos
Creio no Espírito Santo, na Santa igreja cristã, a comunhão dos santos
Na remissão dos pecados, na ressurreição do corpo e na vida eterna. Amém

CANTO PÓS CONFISSÃO
Enquanto cantamos o próximo hino, queremos recolher nossa oferta. Temos muito a
agradecer ao Senhor e, nessa gratidão, podemos compartilhar e ofertar com alegria e amor a
obra de nosso Deus:
Nº 478 - LCI – Damos graças ao Senhor
ORAÇÃO DE INTERCESSÃO
Motivos de Oração: Peça aos presentes se há algum motivo de oração/intercessão para ser
incluído na oração.
1. Aniversariantes
2._______________________________________________________
3._______________________________________________________
4._______________________________________________________
5._______________________________________________________
6._______________________________________________________
PAI NOSSO

Assim, queremos juntos, clamarmos a Deus com a oração que Jesus nos ensinou dizendo:
Pai nosso ...

LITURGIA DE DESPEDIDA
AVISOS
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ h.
Oferta último Culto: R$ _________ - destinada para ...
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

BÊNÇÃO
Que Deus te abençoe e te guarde, que Deus faça resplandecer o seu rosto sobre ti e tenha
misericórdia de ti, que o Senhor sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz. Amém

ENVIO
Vamos em paz e sirvamos a Deus com alegria. Amém

CANTO FINAL
Nº 289 - LCI – Queira a estrada conduzir-nos juntos


Âmbito: IECLB / Sinodo: Mato Grosso
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 72327
REDE DE RECURSOS
+
Ó Deus, meu libertador, tu tens sido a minha ajuda. Não me deixes, não me abandones.
Salmo 27.9
© Copyright 2024 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br