Bíblia



ID: 2769

A Bíblia e a Ecumene

19/11/2014

Nenhuma denominação cristã pode reivindicar direitos de propriedade da Bíblia. Ela é de todas as igrejas, não permitindo atributos confessionais. Não existe uma Bíblia protestante, outra católica ou pentecostal. A Bíblia é uma só, destinada a “todas as nações” (Mateus 28.18). Por isso mesmo não existe livro mais ecumênico do que a Bíblia. Dirige sua mensagem à humanidade com o objetivo de promover a fé, o amor e a esperança na terra.

Não admira, pois, que a Bíblia desempenhe papel fundamental no esforço pela unidade dos cristãos, chamado ecumenismo. Revelou-se como qualificada promotora da unidade. Isto uma vez por razões puramente formais: a Bíblia representa o referencial comum da cristandade, sua base constitucional, sua indiscutível norma de fé. É óbvio haver outros referenciais. Mencionamos o Credo Apostólico ou então lugares sagrados na assim chamada Terra Santa. As expressões particulares da fé cristã possuem raízes comuns que a unem. E, no entanto, nenhuma se compara à Bíblia, que é, sem dúvida alguma, a vertente mais importante. Ecumenismo não pode renunciar ao estudo bíblico.

O recurso comum às fontes adquire relevância justamente pelo fato de a Bíblia ser um livro pré-denominacional. Embora encontremos no Novo Testamento (NT) quatro evangelhos e cartas de diversos autores, as primeiras comunidades ainda não carregavam os distintivos eclesiais de hoje. Convém conscientizar-se de que a igreja cristã não surgiu em Roma, nem em Constantinopla, Wittenberg, Londres ou Genebra, e, sim, em Jerusalém. Talvez seja possível constatar particular proximidade da igreja luterana à teologia de Paulo, da igreja ortodoxa à de João e da católica romana à teologia de Lucas. Mas este cálculo não fecha. Nenhuma igreja cristã de hoje é idêntica à igreja das origens. Tal constatação é altamente salutar. Ela relativiza pretensões monopolistas por parte das igrejas e exige delas uma avaliação autocrítica. Possibilita exatamente assim nova comunhão.

Aliás, o que chama atenção é que o próprio NT oferece variedade de propostas. As comunidades na Palestina não tinham a mesma estrutura daquelas fundadas por Paulo na Ásia Menor e na Grécia. E o apóstolo João tem um conceito de igreja algo diferente de Mateus. Espelha-se nisso a variedade dos contextos sociais e culturais, bem como ênfases teológicas distintas. A primeira cristandade não suprimiu diversidade. Viu nela riqueza, enquanto compatível com o evangelho. Resulta daí que ecumenismo não pode pretender a uniformidade. Não é esta a sua meta. Não se trata de criar uma super-estrutura eclesiástica. A “saúde” do corpo de Cristo necessita da diversidade de seus membros (1 Coríntios 12.12s).

Por essa razão, a proposta bíblica para a ecumene é a comunhão que admite diversidade sem deixa-la solta ou estanque. Comunhão é assim mesmo: une o diferente e o capacita para a convivência. A Bíblia dá o exemplo. É, a um só tempo, um livro plural e uno. Segura a diversidade pelo polo magnético que é Jesus Cristo. Está aí o paradigma para a unidade da igreja. É chamada a viver “comunhão em diversidade reconciliada”.

Pastor Dr. Gottfried Brakemeier, em “Por que ser cristão?”, Editora Sinodal


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

Como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas.
2Coríntios 2.14
REDE DE RECURSOS
+
Continuem a crescer na graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
2 Pedro 3.18
© Copyright 2018 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br