Presidência da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil


Rua Senhor dos Passos , 202 V andar - Centro
CEP 90020-180 - Porto Alegre /RS - Brasil
Telefone(s): (51) 3284-5400
presidencia@ieclb.org.br
ID: 2275

Prosperidade

Palavra da IECLB - O que dizem os manifestos e posicionamentos da Direção da IECLB

1. Fundamentação:

O que dizem manifestos e posicionamentos da Direção da IECLB sobre a doutrina da Prosperidade:
I - Prosperidade: uma promessa divina
Na Bíblia a prosperidade é uma promessa divina, externada de diversas maneiras e em diferentes épocas da vida do povo de Deus. Comumente ela vem ligada a verbos como prosperar, aumentar, abundar, multiplicar, crescer, enriquecer, entre outros. Pela prosperidade suplicam os fiéis (Sl 118.25), e a fartura é o que Deus assegura estar reservado para as pessoas que o temem e guardam a sua lei, respectivamente os seus mandamentos (Dt 28.1-14; Js 1.8; Sl 1.1-3; 112.1-3). Por isso se afirma em Pv 10.22 e 22.4: “A bênção do Senhor enriquece”, e “Para conseguir riqueza, respeito dos homens e uma vida feliz, você precisa ser humilde e obediente ao Senhor”. Logo: “Quem confia no Senhor prosperará” (Pv 28.25), e “[...] nos dias em que buscou ao Senhor, Deus o fez prosperar” (2Cr 26.5).

Dt 28.1ss torna claro que não se trata, nestes casos, unicamente de fartura e abundância em dinheiro ou em bens de consumo, como moradias. A prosperidade prometida por Deus abrange todas as esferas da vida, e as bênçãos são prometidas para a vida na cidade e no campo, envolvendo, neste último, sobretudo fartura de colheitas, celeiros abarrotados e multiplicação do gado. Por ser a prosperidade uma bênção divina em sentido amplo, é mais do que natural que a Bíblia, ao lado do seu aspecto material, enfatize também a sua dimensão espiritual. Ela o faz destacando o crescimento da igreja e da palavra de Deus (At 6.7; 9.31; 12.24; 19.20), ou então apontando para a necessidade de crescer e aumentar – ou seja, prosperar – no amor, na fé, no conhecimento de Jesus e nas ações de graça (Lc 17.5; Cl 2.7; 1Ts 3.12; 2Pe 3.18). Ef 4.15 resume o aspecto da prosperidade espiritual exortando: “Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo [...].”

Nem sempre a promessa de prosperidade vem atrelada ao cumprimento da lei de Deus como um todo. Em algumas passagens ela vem associada à prática de mandamentos específicos como, por exemplo, o das primícias, dos dízimos e das ofertas (Gn 14.18s; Ml 3.8-12; Pv 3.9-10) ou, então, de recomendações para a ajuda aos pobres carentes (Pv 19.17; 22.9; 28.27; Is 58.10s; Mt 6.1-4), respectivamente, a comunidades carentes, como em 2Co 9.6-11. Várias das passagens citadas expressam a certeza de que doações desse gênero, ao contrário de trazerem prejuízo aos fiéis, em verdade farão com que Deus os recompense generosamente, pois “aquele que pouco semeia pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará” (2Co 9.6; cf. o mesmo princípio – “o que se semeia é o que se colhe” – em Pv 11.24-26; 22.8s; Jó 4.8; Ob 15; Ef 6.8 e Gl 6.7).

II - Nem toda prosperidade representa bênção divina
Vários textos dão conta da existência de pessoas prósperas, mas cuja abundância não provém do temor e da obediência a Deus. Trata-se da prosperidade dos perversos e ímpios. Jó 21, o Sl 73 e textos como Is 5.8ss a descrevem em detalhes. Costuma vir associada com violência e opressão (Sl 73.6-8; Is 5.18, 20). Esta constatação faz da prosperidade uma realidade ambígua – ela tanto pode retratar uma bênção de Deus, quanto ser o resultado de valores e práticas contrárias a Sua vontade.

III - Entraves à prosperidade
Há algumas passagens na Bíblia – mesmo que poucas – em que a falta de prosperidade é atribuída aos próprios necessitados. Este é o caso, por exemplo, quando não há vontade para o trabalho (Pv 6.6-11; 10.4; 14.23; 20.4-13; 2Ts 3.10 – cf. também Pv 28.19 e 23.20s).
Na maioria dos casos, a palavra de Deus identifica a desobediência aos mandamentos divinos como o maior entrave à prosperidade (Dt 28.1ss, também 28.15ss). Esta desobediência leva à prática da injustiça, que pode manifestar-se legal e estruturalmente por leis que oprimem os necessitados e menos favorecidos (Is 10.1-4; Am 5.6ss; Mt 23.4; Mc 3.1-6), impedindo a sua ascensão social e econômica, ou seja, a sua prosperidade. Em outros casos, o entrave é resultado da transgressão de leis estabelecidas, como, por exemplo, das leis que solicitam não cobrar juros de pessoas carentes (Êx 22.25; Lv 25.35-38; Dt 23.19s) e não reter o salário de diaristas (Dt 24.15; Tg 5.1-5). A própria justiça, quando corrompida, favorece só a um segmento minoritário da população (Am 2.6; 6.12; Is 1.23; 32.7; Jr 5.28; 22.17; Mq 3.11 e 7.3). Alguns textos também deixam transparecer os prejuízos acarretados pelo desejo do acúmulo irrefreável dos bens, travando uma melhor distribuição de renda entre a maioria populacional (Is 5.8; 65.21ss; Jr 17.11; Mq 2.1-3; Mt 6.19-21; Lc 12.16-21).

Para a Palavra de Deus, estes e outros entraves colocados à prosperidade dos necessitados revelam não só falta de justiça e retidão, mas também de misericórdia e sensibilidade: Os 6.6; 14.3; Mq 6.8; 7.18; Mt 12.7. Jesus entendeu claramente que, se ao invés da injustiça, fosse buscado com prioridade – “em primeiro lugar” – o reino de Deus e a sua justiça, também os carentes haveriam de prosperar, pois não lhes faltaria mais comida, bebida e vestimenta (Mt 6.25-34 – cf. o v. 33!). Já o AT criticou duramente uma prática de piedade que se agradava em oferecer sacrifícios a Deus e ao seu templo, mas que não se dignava a zelar – com igual empenho – pelos sacrifícios em favor dos necessitados (1Sm 15.22; 7.1-11; Os 6.6; Am 5.21-24).

Os entraves colocados à prosperidade do povo de Deus explicam por que em países de tanta riqueza como a Palestina da época de Jesus (e o Brasil da atualidade!) existe tanta pobreza e carência. Explica também por que Jesus não terminou os seus dias como próspero pregador itinerante da Galiléia, Samaria e Judéia, mas como perseguido e crucificado, dando-se resultado semelhante também com vários de seus apóstolos (por exemplo, 2Co 4.7-11).

IV - Limites e finalidade da prosperidade
Há limites evangélicos para a prosperidade material? O NT intui com muita sabedoria que o acúmulo de bens e riquezas gera idolatria, ou seja, gera o apego e o amor ao dinheiro e aos bens e a dependência deles (Mt 6.19-21; Mt 6.24; Lc 12.16-21; 1Tm 6.10). Logo, o limite da prosperidade está dado quando não serve mais às necessidades reais, mas, em função do acúmulo, cria sempre novas e diferentes “necessidades” adicionais.

O limite da prosperidade é confirmado quando refletimos sobre a sua finalidade segundo o testemunho bíblico. Nos textos se confirmam dois importantes princípios:
1) A natureza última da prosperidade é coletiva. Deus a deseja para todo o seu povo, mesmo que seja sensível a petições individuais, como no caso de muitos salmos. No NT essa natureza coletiva é confirmada pela eclesialidade do povo de Deus: ele é o corpo de Cristo, onde todos são mutuamente dependentes e devem praticar a mútua solidariedade (At 2.42ss; 4.32ss; 1Co 12.25-27; 1Co 13). Por isso, em comunidade, a prosperidade de um membro já não será mais só sua – o será de toda a congregação; e a necessidade de um membro também já não será mais unicamente sua – será compartilhada pela comunidade, dentro da qual as e os fiéis devem levar mutuamente as cargas uns dos outros (Gl 6.2).

2) Esta natureza - originalmente coletiva - das bênçãos da prosperidade nos faz entender por que houve salvação na casa de Zaqueu quando resolveu dar metade dos seus bens aos pobres e devolver quatro vezes o valor de suas fraudes (Lc 19.1-10). Explica também por que Lucas dá tanta importância à prática das esmolas e da generosidade (Lc 11.39-41; 12.33; At 9.36; 10.2,4,31; 24.17 – cf. Lc 7.34ss e 14.12s) e por que Paulo faz uma exortação aos ricos no sentido de “que pratiquem o bem, sejam ricos de boas obras, generosos em dar e prontos a repartir” (1Tm 6.18). A partilha dos bens, a sua distribuição mais eqüitativa, é a finalidade última das bênçãos advindas da prosperidade material. Só assim haverá mais igualdade, podendo Deus ser o Pai de todas as pessoas para que elas sejam realmente uma fraternidade solidária, em vez de um conjunto de crentes egoístas e individualistas (2Co 8.13-15).

V - Considerações sobre a “doutrina da prosperidade” (DP)
Sobre o pano de fundo deste resumo do posicionamento bíblico, pode-se avaliar a nova “doutrina da prosperidade” (DP), como divulgada pelas igrejas de cunho neopentecostal, a exemplo da Igreja Universal do Reino de Deus e da Igreja Internacional da Graça de Deus, entre outras. A DP, fortemente influenciada pela corrente da “confissão positiva”, entende que todas as pessoas crentes devem e podem prosperar, desde que:
a) se transformem em fiéis e abnegadas dizimistas e doadoras de ofertas, pois, o princípio bíblico reza: “aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia com fartura, com abundância também ceifará” (2Co 9.6), e “dai, e vos será dado” (Lc 6.38). No Brasil cunhou-se a expressão, num desvirtuamento da oração atribuída a São Francisco de Assis, “é dando que se recebe”;
b) se tornem plenamente cientes dos seus direitos de prosperidade, assegurados pelo próprio Deus em sua Palavra, para o que se recorre a textos como Ml 3.8-12; Lc 6.38; 2Co 9.6ss, entre outros;
c) saibam exigir e reivindicar junto a Deus a validade e o cumprimento desses direitos “em nome de Jesus”, isto porque “direito não reclamado é direito não existente”;
d) saibam permanecer firmes e convictas em suas exigências a Deus, jamais vacilando ou duvidando do seu cumprimento, mesmo que as aparências e as evidências apontem para o contrário. A base bíblica costuma amparar-se em textos como Mt 7.7s. A fé numa vida de abundância cria a realidade do sucesso; o vacilo, a dúvida e a insegurança quanto à prosperidade criam o fracasso. A fé e as palavras que lhe dão expressão são entendidas como forças que, uma vez verbalizadas, criam as próprias realidades que expressam. Dentro desta lógica, é errôneo rogar ou suplicar a Deus com expressões como “se for da tua vontade”, ou “que assim seja”, já que elas retratam dúvida quanto à absoluta convicção do atendimento divino. Os cristãos devem, muito mais, decretar, reivindicar e determinar o seu direito à felicidade;
e) estejam libertas de influências ou possessões demoníacas, que conservam os fiéis sob o domínio do pecado.

Tais pilares doutrinais da prosperidade, pregados com insistência diariamente pelos vários meios de comunicação, colocam as pessoas fiéis não-prósperas em situação constrangedora, culpabilizando-as ao lhes atribuir falta de fé nas promessas divinas ou então sugerindo possessão por demônios.

As críticas que cabe fazer a uma tal doutrina, podem ser resumidas nos seguintes pontos:
1. Há uma supervalorização do cumprimento do dízimo, entendido literalmente, em detrimento do cumprimento de todas as demais prescrições da lei bem como de outras ofertas solicitadas no AT, como as primícias e as “ofertas instituídas” (hebraico: terumah). Se quiséssemos ser exatos, à luz de textos como Dt 28.1ss, o descumprimento de qualquer um dos diversos mandamentos de Deus por si só já poderia implicar na suspensão das bênçãos prometidas! Note-se que na DP também costuma ser omitido que nem Jesus nem os apóstolos conclamaram para a doação de dízimos, e sim, unicamente para que cada qual desse aquilo que conseguisse dar com boa vontade e alegria, e não por tristeza ou coação (2Co 8.12; 9.7). E, por último: dificilmente se problematiza o dízimo como contribuição percentualmente equitativa de todos os fiéis, quando se sabe muito bem que a décima parte de um salário mínimo representa um valor proporcionalmente muito superior ao dízimo pago por quem recebe numa faixa entre 10 a 20 salários!

2. Para a DP as bênçãos na forma de abundância e prosperidade transformam-se de uma dádiva, que Deus, em seu amor, promete graciosamente às suas criaturas, em um direito, que se pode exigir e cobrar dEle. No entanto, a nossa condição de criaturas não ultrapassa biblicamente a de textos como Lc 17.10: “Também vós, depois de haverdes feito quanto vos foi ordenado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos apenas o que devíamos fazer”; ou 1Co 4.7: “[...] E que tens tu que não tenhas recebido? [...]”. A postura que reclama prosperidade como direito ignora, ademais, as diferenças entre Deus, Criador, e os seres humanos, suas criaturas: é só a Deus que cabe, em última análise, o governo do mundo (Is 40.12ss; Sl 145.13). Também não cabe a uma criatura tirar de Deus a liberdade para decidir a hora e o lugar para derramar as suas bênçãos (Ec 3.9-15; Mc 4.26-29). O mais grave nessa postura de exigência, contudo, é que (segundo Rm 3.21ss; Gl 2.15ss e Fp 3.8-9) toda criatura, por praticar a injustiça, depende, no que concerne à sua salvação – a sua prosperidade incluída – total e exclusivamente da graça de Deus. Portanto, se se quer falar da lógica do Do ut des (“dou para que dês”) ou do “É dando que se recebe” para caracterizar a nossa relação com Deus, então só podemos fazê-lo na consciência de que todo e qualquer recebimento não é nem direito nosso nem dever de Deus, mas unicamente expressão da Sua graça, não cabendo, pois, ser decretado e determinado, mas somente pedido e suplicado com humildade e na consciência de pecado.

3. A DP exalta indevidamente a prosperidade material, em detrimento de uma prosperidade em outras áreas da vida, como na fé, no amor e na esperança. Além disso, o seu acento no direito e dever de cada fiel de ser próspero advoga uma escatologia já plenamente realizada no aqui e agora, contrariando a dialética entre o “já” e o “ainda não”, tão característica de ambos os Testamentos. Em Jesus e na fé nele o Reino de Deus se faz presente já agora, mas o reino consumado está resguardado para o futuro. Portanto, “ainda não” vivemos nele, mas estamos a caminho.

A DP é exageradamente individualista. Não fomenta espírito de partilha e distribuição dos bens. Também se apresenta como não-profética e politicamente conservadora. Não procura ver as raízes estruturais da pobreza e do desemprego, muito menos os interesses gananciosos por detrás da concentração de renda. Coloca sobre a responsabilidade de demônios o que, na sociedade, é perfeitamente identificável e atribuível a interesses de pessoas, grupos e corporações. Daí que o seu combate ao mal da pobreza apela para uma mágica transformadora de palavras ditas com determinação, ao invés de se empenhar pela correção de estruturas de injustiça e das leis que as facultaram.

Não devemos permitir que os interesses econômico-financeiros que hoje determinam o processo de globalização sujeitem também a nossa fé a uma visão estreita de prosperidade individual e material. O Deus da vida é generoso e se compraz com a prosperidade de toda a sua criação – prosperidade que entendemos no sentido da vida plena a ser buscada diariamente pela fé em Cristo e pelo viver segundo o seu exemplo.
Posicionamento sobre Prosperidade – 2008
Texto completo do Posicionamento
 


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

Como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas.
2Coríntios 2.14
EDUCAÇÃO CRISTÃ CONTÍNUA
+

REDE DE RECURSOS
+
Ser batizado em nome de Deus é ser batizado não por homens, mas pelo próprio Deus.
Martim Lutero
© Copyright 2017 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br