Romanos 11.1-2a, 29-32 - 11º DOMINGO APÓS PENTECOSTES - 20/ 08/ 2017

Caderno de Cultos 2017

20/08/2017

ACOLHIDA
Bom dia, comunidade. 
Neste fim de semana celebramos o 11º domingo após pentecostes. O Calendário Cristão faz pensar e viver no tempo da graça de pentecostes, a vida recriada pelo Espírito de Deus Misericordioso.
A Palavra de Deus nos ensina: “Que os amigos de Deus brilhem como a forte luz do sol nascente” (Juízes 5.31).
Com estas palavras, acolhemos a todos/as aqui neste lugar de culto e adoração a Deus e testemunhamos que as Sagradas Escrituras, que é a Bíblia, foram escritas para nos ensinar e instruir na fé e vida cristã. Ela é a Santa Palavra de Deus.
Citar o nome das pessoas que nos visitam neste culto:..............................................................................
Bem vindos/as vocês que nos visitam, é bom que estão em nosso meio. Acolhemos, especialmente, aos visitantes, com as palavras e Isaias 56 8: A Palavra de Deus diz: ... “Também levarei os estrangeiros ao meu Santo Monte e os alegrarei na minha casa de oração. Pois, a minha casa será chamada de casa de oração para todos os povos”.
Portanto, queridos irmãos e queridas irmãs, louvemos juntos, oremos, busquemos a Deus neste encontro. Que bom que vocês vieram, que seja um encontro de benção, de comunhão, de amizade, de testemunho da fé. Que o amor de Deus dirija a nossa celebração! Sintam-se todos bem!
Acolher visitantes, se houver, com um aperto de mão.

CANTO DE ENTRADA

HINO: HPD I, Nº 254- Senhor, meu Deus, 

LITURGIA DE ABERTURA
SAUDAÇÃO
Igreja de Jesus aqui reunida, celebramos este culto em nome do Pai: que nos criou e deseja que ouçamos a sua Palavra. Em nome do Filho Jesus: Que se entregou para nos salvar e em nome do Espírito Santo: Que nos dá entendimento da Palavra de Deus e a crermos Nela e no seu Filho Jesus. Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.
Isaías 56.1 escreve: “Assim diz Deus: Mantende o direito e praticai a justiça, porque a minha salvação está prestes a vir, e a minha justiça, prestes a manifestar-se”.
CANTOS DE INVOCAÇÃO
HINO: HPD I, Nº 119- Chuvas de Bênçãos

CONFISSÃO DE PECADOS
Deus une e reune as pessoas pelas suas ações de misericórdia, nós, porém, as espalhamos e dividimos com nossos preconceitos e nossa visão de mundo destorcida. E isso é pecado. Então, suplicamos.
Querido e amado Deus, tu que és o nosso Pai criador, que nos liberta dos pecados, dos preconceitos, do egoísmo, da morte e do poder do inimigo. Somos-te gratos pelo amor a nós revelado em Jesus Cristo, nosso Salvador. E pedimos perdão a Deus, com as palavras do hino 150: “Se sofrimento te causei, Senhor. /Se ao meu exemplo, o fraco tropeçou; / Se em teu caminho, eu não quis andar,/ Perdão, Senhor. /Se vão e fútil foi o meu falar;/ Se ao meu irmão não demonstrei amor;/ Se ao sofredor não estendi a mão,/ Perdão, Senhor./ Se indiferente foi o meu viver;/ Tranqüilo e calmo sem lutar por ti;/ Devendo estar bem firme no labor, Perdão, Senhor.” Cada um de nós, Deus, tem muito para colocar diante de ti, tu conheces cada coração. Sabes tudo o que afeta o nosso relacionamento contigo. Queremos eliminar tudo o que nos afastou de ti. Por isso clamamos, Deus tem misericórdia de nós e nos perdoa. Em nome do Nosso Salvador Jesus que morreu na cruz pelos nossos pecados, nós pedimos perdão. Vem, Espírito Santo, e transforma as nossas vidas. Amém.

ANÚNCIO DO PERDÃO
Escuta, oh Deus, a minha oração/ E vem livrar-me de incertezas mil./ Transforma a minha vida entregue a ti./ Amém, Senhor! Amém, Senhor!
Palavras de graça e misericórdia encontramos em 2 Co 5.21 “Em Cristo não havia pecado. Mas Deus colocou sobre Cristo a culpa dos nossos pecados para que nós, em união com ele, vivamos de acordo com a vontade de Deus.” Se crermos nessas palavras, assim será. Deus envia mensagem de paz às pessoas que se reconhecem pecadoras e confessaram seus pecados a Deus. As suas injustiças são perdoadas. Amém.

KYRIE
Vamos colocar nas mãos de Deus as dores das pessoas que clamam por ajuda e por justiça. Não queremos fechar os olhos diante das dores deste mundo. Não queremos ignorar os aflitos e suas aflições. Aqui e agora queremos clamar. Intervém Deus! Clamamos por crianças abandonadas e por adultos sem esperança; por povos e nações em guerras, perseguição ou destruição. Deus e Pai, aqui estamos para rogar a tua misericórdia sobre este mundo que carece tanto de amor, compaixão, perdão, cuidado e fraternidade. Que nós como tua Igreja possamos ser uma luz da tua compaixão neste mundo, que possamos dar testemunho de que tu enviaste teu Filho, Jesus Cristo, para trazer vida plena a todas as nações. Clamamos em relação aos sofrimentos de longe e perto de nós. Tem, Deus, piedade.

GLÓRIA IN EXCELSIS
Deus, recebe nosso louvor e nossa gratidão. Cantemos Glória a Deus nas alturas, pois Deus foi, é e sempre será misericordioso com nossas fragilidades humanas, a Ele devem ser rendidos muitos louvores. Cantemos de pé....
Hino: 253, HPD 1: Glorificado seja teu nome

ORAÇÃO DO DIA
Querido Pai, nosso benigno Salvador Jesus, Espírito Santo animador da nossa fé, louvamos-te porque teu agir nas nossas vidas nos torna teus filhos e tuas filhas. Obrigado por tua graça que nos transforma. Obrigado pela tua Palavra que nos guia. Pedimos, fortalece-nos a cada dia com tua Palavra. Fala ao nosso coração, também hoje, neste lugar. Que nada atrapalhe as leituras da tua palavra e a pregação. Providencia para nós mente aberta e nosso coração sensível. Derrama teu Santo Espírito, e age em nós e através de nosso ouvir e meditar da tua Santa Palavra. Assim oramos, em nome de Jesus. Amém.

LITURGIA DA PALAVRA

HINO: 379, HPH 2: Estou pronto, Senhor

1ª Leitura Bíblica: Isaías 56.1,6-8

3ª Leitura Bíblica: Mateus 15.21-28   

CÂNTICO INTERMEDIÁRIO

HINO: HPD II, Nº 380- A tua Palavra

TEXTO DA PREGAÇÃO

Leitura de Romanos 11.1-2a, 29-32

Pregação/mensagem

Oração: Lâmpada para os meus pés é a tua Palavra, Senhor, e luz para os meus caminhos ( Sl 119.105).
A realidade expressa pelas palavras rejeição manda embora, despede-a, estrangeiros, gentios, judeus dizem algo muito importante para abrirmos o coração e a mente para compreender o que se passa com a mensagem de Deus, a partir destes textos bíblicos.

A leitura de Isaias 56 fala de coisas muito bonitas. Pede que todos os povos devem manter o direito e praticar a justiça, porque a sua salvação está muito próxima. Vai se manifestar já. Aos dispersos de Israel (judeus) e aos estrangeiros que se aproximam está reservada a salvação e a justiça de Deus. Portanto, tem boas notícias. Quem abraça a sua aliança está incluído no seu rebanho. Deus vai alegrar todos e todas no seu santo monte e em sua casa de oração. E diz: “a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos” (verso 7c). Aos que foram dispersos tem um lugar especial na congregação dos que já estão reunidos.

Mateus 15 testemunha o drama de uma mulher estrangeira, da Cananeia. Ela não é o povo de Israel. Ela tem uma filha muito doente e não sabe mais o que fazer, pois, “minha filha está horrivelmente endemoninhada”. E Jesus leva ao pé da letra, com toda a radicalidade e crueldade a lei farisaica. Primeiramente, não fala nada, se faz de surdo.

Os discípulos pedem que ele expulse esta mulher que vem atrás deles, perturbando a caminhada. E Jesus continua. Fala “Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa Israel”. Esta afirmação expressa o que nós pensamos. Ou seja, fazer missão entre as pessoas do cadastro morto de minha igreja. É isso. As pessoas de fora, que não se parecem em nada comigo, não entram em cogitação. Mas a mulher cananeia insiste: “socorre-me’.

No texto, Jesus ainda diz: “Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-los aos cachorrinhos”, verso 26. Esse pensamento se encaixa bem no nosso pensamento: “preciso arrumar minha vida, minha situação financeira, e dar o sustento para meu povo”, pensam muitos. Mas a mulher lembra Jesus da sua misericórdia, da compaixão de Deus, assim como no texto de Gênesis 18. Na oração ela é insistente, persistente, adoradora de Jesus e atrevida. Diz para Jesus: “ até mesmo os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seu donos”, verso 27. Portanto, “peço compaixão, escuta minha causa e fazem-me justiça”. E Jesus, admirado, foi sensibilizado pela mulher estrangeria e a atendeu. 

Os problemas deste texto de Mateus 15 são nossos problemas e dificuldades para ter comunhão com moradores na rua, com desempregados, com sem texto, com indígenas, com moradores das periferias de nossa cidade, e com pessoas para as quais as coisas saíram erradas na vida. O jeito de Jesus tratar a mulher é ato pedagógico para nos pensarmos sobre nossos jeito de ver e tratar as pessoas. Jesus se deixou sensibilizar pela mulher cananeia, a atendeu e a acolheu como sua ovelha.. E nossa comunidade, como é isso conosco?

Em Romanos 11.1-2a, 29-32
Este texto fala de ingratidão, raízes, separações, incompreensões e reconciliação. Os gentios estavam aderindo à fé cristã. Estavam felizes. Paulo também se alegra e agradece por ser o apóstolo dos gentios. Eles dobravam seus joelhos e adoravam. Os judeus, enquanto povo escolhido por Deus e povo da aliança, estava incrédulo. E o que fazer? Abandonar os judeus e ir com os gentios? Não foi isso que Paulo fez. E diz que Deus não rejeitou o povo judeu.
Paulo lembra que tanto judeus quanto gentios foram desobedientes, tendo sido agraciados com a misericórdia divina. Como, porém, a misericórdia de Deus é mediada através da fé e a maioria dos judeus permanece incrédula, o apóstolo afirma que a misericórdia de Deus para os judeus haverá de manifestar-se unicamente no futuro. Paulo não vê nisto nenhuma tragédia, mas crê que o próprio Deus aproveita a incredulidade momentânea dos judeus para uma finalidade positiva, qual seja, a de oportunizar aos gentios o acesso à salvação (WEGNER . Uwe).

Paulo mostra compromisso e a sensibilidade em relação ao povo judeu. Ele havia se tornado o apóstolo dos gentios. A tarefa de pregar e divulgar o evangelho entre os outros povos representava para ele uma infinidade de desafios a enfrentar, com alegria. Por que se preocupar com um povo que não queria aceitar Jesus como o Messias prometido por Deus? O momento era de olhar para a frente, para os novos desafios, para os outros povos. Por que chorar pelos que não haviam aderido à fé? Por que preocupar-se com o fichário morto onde estão os nomes e endereços daquelas pessoas que não querem vir? Mas ele se preocupa, sim. E incluiu estas pessoas na salvação misericordiosa de Deus.

Há em nós uma tendência muito forte de apagar raízes, desgrudar-nos do passado, cortar laços que não mais rendem o que esperamos, que não atendem mais os nossos desejos. Nós esquecemos que a espiritualidade do AT era exatamente a que alimentava e fortificava também a fé de Jesus e das primeiras comunidades. O Deus que Jesus pregou e ensinou não era outro senão o Deus do povo escolhido de Israel, do povo da aliança do AT. O Deus que nossa igreja evangélica luterana ensina e prega é o Deus de nossos pais e nossas mães.

A chave da aproximação das pessoas está no acontecimento da misericórdia de Deus. Por que a experiência da misericórdia pode aproximar-nos, tornar-nos sensíveis uns aos outros, evitar que nos alegremos com a perdição do próximo? É que a misericórdia de Deus mostra que a condição de perdidos e perdidas é, na verdade, em maior ou menor escala, a condição de todos/as nós, é a condição na qual fomos achados e resgatados todos e todas pela mão carinhosa de Deus.

Não há, portanto, motivos para ninguém sentir-se superior ou melhor do que outras pessoas. Paulo, na verdade, usa palavras um pouco diferentes. Ele não fala de perdição, e sim de desobediência. A desobediência provoca nosso afastamento de Deus, de sua criação e de suas criaturas e é característica de todas as pessoas. O interessante no texto é que Deus consegue instrumentalizar uma coisa ruim, que representa a desobediência de suas criaturas, para um propósito bom, que é a salvação de todos e todas, de judeus, de gentios, de escravos e livres, de homens e mulheres, de índios e gaúchos, negros e brancos, etc. A desobediência une todas e todos numa mesma situação de intolerância, egoísmo e insensibilidade. A misericórdia representa a sensibilidade de Deus com essa miséria generalizada. Paulo nos mostra que pessoas, uma vez atingidas pela graça divina, não podem querer particularizá-la, mas devem respeitar o seu propósito, buscar reconciliação e incluir todos e todas. Amém. (WEGNER, Uwe).


Amamos as pessoas que são diferentes de nós? Conhecemos a nossa cidade, nossa região e as pessoas que nela vivem? Nossa Igreja agrega, cria vínculos e comunhão com “pessoas de fora”, sem religião alguma? Que força de irradiação têm a fé e o amor vividos em nossas comunidades? A fé e o amor convencem mais e melhor do que discursos e prédicas bem elaboradas, mas vazias de sentidos.

HINO: HPD II, Nº 456- Deus é meu amparo

CONFISSÃO DE FÉ
Depois de ouvirmos da palavra de Deus e a sua mensagem para nós, convido-os para confessarmos a nossa fé no Deus único, poderoso e amoroso, e fazemos isso com as palavras do Credo Apostólico...

Creio em Deus Pai, ...
AVISOS DA COMUNIDADE
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ h.
Destino da oferta é: _________________________________________
Oferta último Culto: R$________ destinada ____________________ ________________________
Aniversariantes:____________________________________________________________________

HINO: 383 – HPD II – A lei do Senhor ( recolher as ofertas)


ORAÇÃO DE INTERCESSÃO
Motivos de Oração
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________

Oração de Intercessão
Vamos orar, intercedendo:
Graças te rendemos, Deus bondoso, por tua compaixão e misericórdia com que cuidas de nós e de toda a tua criação. Graças te rendemos, por Jesus Cristo, teu filho amado e nosso bem, que pagou nossa conta com seu sofrimento e morto na cruz. Graças te rendemos, pelo Espírito Santo que tu enviaste aos antigos e continuas enviando hoje. Ele nos consola, transforma, renova, fortalece e emprega no ministério do teu reino de vida, comunhão, fé, perdão e salvação. Deus, o teu povo deseja interceder e pedimos que tu abras os teus ouvidos, o teu coração e atendas as intercessões, se for de tua vontade e de nossa necessidade: (mencionar motivos de oração da comunidade).....

Deus, nosso Criador, Libertador e Empregador, em tuas mãos nós confiamos as intercessões de tua comunidade, aqui reunida em oração. Queremos, ainda, de forma especial interceder pelos casais em conflito, pelos pais e filhos que têm dificuldades em se entenderem, pelos conflitos entre irmãos e irmãs, pelos conflitos comunitários, pelos conflitos na rua, no trabalho e em qualquer outra parte em que pessoas se agridem, se traem, se machucam, se magoam. Ajuda-nos para que possamos sentar com elas, pegar na sua mão, ajudá-las a levantar os olhos, perguntar em que podemos ser solidário.. Esteja presente, pela Palavra e pela ação do teu Espírito, no cotidiano de todas as pessoas que exercem autoridade. Dá criatividade e ânimo ao presbitério para trabalhar e enfrentar as questões de fé e vida de fé de tua igreja, em suas atividades. Dá coração aberto e sensibilidade para percebermos a importância da reconciliação contigo e com as pessoas ao nosso redor. Tudo mais que precisamos para nossa reconciliação, vida e salvação, e tu bem sabes do que necessitamos, incluímos na oração que Jesus Cristo nos ensinou:
Pai nosso....

PAI NOSSO
Pai nosso ...

LITURGIA DE DESPEDIDA

BÊNÇÃO
Que Deus os abençoe e guarde. Que Ele os guarde dos caminhos do mal, das trevas e da morte. Que Deus os proteja de todos os danos e perigos. Em nome de Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.


ENVIO
Agora, caminhamos nos caminhos da paz, na graça do Espírito Santo de Deus, cientes do nosso compromisso cristão de ensinar e viver por fé, na graça de Deus, na perspectiva do Reino de Deus que, em Jesus Cristo. Enquanto caminhamos, vamos dizer ao mundo todo que o Deus é bom, justo e, através do perdão, mediante confissão, faz acontecer vida e salvação. Amém.

CANTO FINAL

HINO: HPD II, Nº 321 – vento que anima


 


Autor(a): P. Teobaldo Witter
Âmbito: IECLB / Sinodo: Mato Grosso
Área: Celebração / Nível: Celebração - Ano Eclesiástico / Subnível: Celebração - Ano Eclesiástico - Ciclo do Tempo Comum
Natureza do Domingo: Pentecostes
Perfil do Domingo: 11º Domingo após Pentecostes
Testamento: Novo / Livro: Romanos / Capitulo: 11 / Versículo Inicial: 1 / Versículo Final: 32
Título da publicação: Caderno de Cultos / Ano: 2017
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 42816
REDE DE RECURSOS
+
A Deus, aos pais e aos mestres, nunca se poderá agradecer e recompensar de modo suficiente.
Martim Lutero
© Copyright 2017 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br