Por que os valores de Jesus e os valores deste mundo entram em conflito?

Esses dias alguém me perguntou: Por que na igreja luterana não temos cultos de prosperidade?

23/02/2018

 

Marcos 8.31-38

Esses dias alguém me perguntou: Por que na igreja luterana não temos cultos de prosperidade?
Vamos começar nossa reflexão com dois exemplos da nossa realidade:

No mês passado de janeiro 2018, na reunião dos países mais ricos do mundo em Davos/Suiça, uma empresa britânica que mede índices de pobreza e desenvolvimento chamada OXFAM divulgou a seguinte notícia sobre o Brasil: O Brasil ganhou 12 bilionários a mais em 2017, passando de 31 para 43 bilionários. O número de super-ricos cresceu 45% em 2017. Se comparamos uma dessas pessoas super-ricas com quem ganha um salário mínimo por mês, significa que uma pessoa que ganha 1SM precisaria trabalhar 19 anos para ganhar o mesmo que um desses super ricos ganha em 1mes. Muitas pessoas pensam: Que bom! Quanto mais ricos, mais empresas, mais empregos! Não é assim. A mesma noticia que anunciou os novos milionários também falou que o dinheiro desses super ricos não vem do trabalho remunerado, mas sim das aplicações financeiras. Aplicações financeiras na Bolsa de Valores – ou nas moedas eletrônicas (bitcoins) - não geram novos empregos e nem desenvolvem o país. Isso é algo negativo, porque o trabalho perde ainda mais importância e as as pessoas vão se dando conta que a riqueza vem da especulação – não de quem trabalha.

No ano de 2006 saiu um filme chamado O Diabo veste Prada. O tema do filme era mostrar como o luxo corrompe. Que a exposição intensa a artigos de luxo altera a forma como as pessoas fazem suas escolhas. E que o efeito da exposição ao luxo torna as pessoas menos empáticas, mais egoístas, isso é, faz com que as pessoas pensem menos nos outros e mais em si mesmas. O filme mostra que a exposição demasiada ao luxo ativa nas pessoas a visão de túnel. Elas não conseguem ver, nem entender outra coisa que a satisfação de seu desejo. O filme então levanta a pergunta se o luxo e ter muito dinheiro – se isso deixa as pessoas mais felizes? E a conclusão parece ser: um certo grau de conforto é bom, mas acima disso ele se torna um obstáculo e não uma ajuda.

O que essas duas histórias tem a ver com o Evangelho desse domingo?

Logo de cara podemos dizer que nenhum desses dois exemplos tem algo a ver com Deus. Esses dois exemplos podem ser atrativos a muitas pessoas, mas já nos diz de cara: Trata-se de dois exemplos onde Deus não está: Ficar rico sem trabalhar e querer viver somente rodeado de luxo. Isso não é coisa apenas de nossos dias. Isso são desejos do ser humano que vem de muito tempo.

Nós ouvimos que Jesus começou a ensinar os seus discípulos falando da necessidade de transformação. E transformação exige renúncia, desapego e isso implica em sofrimento. Jesus diz até que a mensagem de Deus, os valores do Reino de Deus vão entrar em conflito com os valores deste mundo, com os poderes e as autoridades deste mundo. Essas palavras de Jesus incomodaram a Pedro, que chamou Jesus para o lado e começou a repreendê-lo (v. 32). Pedro diz que as pessoas não vão seguir um líder que já vai anunciando seu fracasso e a sua morte. Para Pedro, quando uma pessoa procura uma religião (uma igreja) – parece ser normal que a pessoa procure uma religião (ou uma igreja) que possa fazer algo por ela. Os templos ficam cheios de gente, se a religião consegue atender aos interesses das pessoas. É o desejo por receber riqueza de Deus que faz com que determinados templos sejam mais frequentados que outros.

Além disso, Jesus estava começando o seu movimento. E começar falando dos problemas – não é uma boa estratégia.
Será que Pedro estava errado?

Ainda hoje podemos ver que as igrejas que pregam a prosperidade estão mais cheias de gente que as nossas igrejas luteranas. O desejo por receber riqueza e recompensas aqui nesse mundo faz com que determinadas igrejas sejam mais frequentadas que outras.

Mas o que Jesus responde a Pedro?

Ele diz: Desculpa ai, Pedro, você tem razão. Comecei mal. Eu me empolguei e falei sem pensar. Foi isso que Jesus disse? Não!

Ele diz justamente o contrário. Ele virou-se para Pedro e disse: Saia da minha frente, Satanás! Você está pensando como um ser humano pensa e não como Deus pensa. (v.33). E então Jesus diz que se alguém quer ser seu seguidor precisa deixar-se transformar, precisa colocar em segundo plano seus interesses individuais.

Diz o texto do Evangelho de hoje: vv.34-38
Ai Jesus chamou a multidão e os discípulos e disse:
- Se alguém quer ser meu seguidor, que esqueça os seus próprios interesses, esteja pronto para morrer como eu vou morrer e me acompanhe. Pois quem põe os seus próprios interesses em primeiro lugar nunca terá a vida verdadeira, mas quem esquece a si mesmo por minha causa e por causa do Evangelho terá a vida verdadeira. O que adianta alguém ganhar o mundo inteiro, mas perder a vida verdadeira? Pois não há nada que poderá pagar para ter de volta essa vida. Portanto, se nessa época de incredulidade e maldade alguém tiver vergonha de mim e dos meus ensinamentos, então o Filho do Homem, quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos, também terá vergonha dessa pessoa.
Em primeiro plano deve estar a vontade de Deus. E a vontade desse Deus está em encarnar o que está no Sermão do Monte (Mateus 5.3-12)
Felizes as pessoas que são pobres, porque o Reino dos Céus é deles.
Felizes as pessoas que choram, porque Deus as consolará.
Felizes as pessoas humildes, pois receberão o que Deus tem prometido.
Felizes as pessoas que tem fome e sede de fazer a vontade de Deus, pois ele as deixará completamente satisfeitas.
Felizes as pessoas que tem misericórdia dos outros, pois Deus terá misericórdia delas.
Felizes as pessoas que tem um coração puro, pois elas verão a deus.
Felizes as pessoas que trabalham pela paz, pois Deus as tratará como seus filhos.
Felizes as pessoas que sofrem perseguições por fazerem a vontade de Deus, pois o Reino dos Céus é delas.
Felizes quando vos insultam, perseguem e dizem todo tipo de calúnia contra vocês por serem meus seguidores. Fiquem alegres pois uma grande recompensa está guardada no céu para vocês.
Portanto, Jesus propõem um tipo de vida que não está obsecado pela satisfação dos desejos individuais. A vida que Jesus propõem é a tem um único mandamento: Amar a Deus sobre todas as coisas e amar ao seu próximo como a si mesmo. Ou seja: Você só será verdadeiramente feliz quando você fizer alguém feliz.

Somente quem é solidário é que consegue ser feliz. Pessoas egoístas – egocêntricas - são pessoas infelizes. Pessoas egoístas se sentem perdidas nesse mundo. Somente o amor e a solidariedade dão sentido a nossa vida.

Se você quer sentir a importância da solidariedade, então seria muito bom se um dia você pudesse participar de uma reunião de pais/mães em um dos projetos educacionais da IBML ou até mesmo vir aqui na igreja para ajudar no Bazar da Solidariedade. Vir para conhecer as pessoas, ouvir, olhar, perguntar sobre suas histórias. Mas não dá para vir com pressa. Quem sempre está com pressa não consegue estabelecer vínculos. Amar e cuidar pressupõe tempo.

Portanto, Jesus começa os seus ensinamentos dizendo muito claramente: Para ser seguidor de Jesus é preciso deixar-se transformar. Deixar de pensar somente em si mesmo. Aliás, Jesus diz que nós nem precisaríamos pedir nada para nós mesmos. Assim como as aves do céu, assim como os lírios do campo, Deus sabe o que nos é necessário – Deus sabe o que nos faz falta – e a seu tempo – “nada nos faltará”.

Algumas igrejas luteranas no Sul do Brasil mantêm clínicas de recuperação de pessoas dependentes de drogas e de álcool. As pessoas ficam meses nessas clínicas em tratamento de desintoxicação, com acompanhamento médico, nutricional e pastoral/espiritual. Alguns anos atrás, conversando sobre a recaída dos desintoxicados(as), um pastor que trabalhava em um desses centros nos dizia que a possibilidade de recaída é muito grande naquelas pessoas que voltam para casa achando que estão curadas. No entanto, o índice de recaída é bem pequeno naquelas pessoas que se envolvem em um grupo de AA ou NA, ou participam mais ativamente em algum projeto social em sua igreja. Essas pessoas que encontraram um lugar onde elas agora podem ajudar alguém, essas pessoas dificilmente retornam ao vício.

Portanto, na mensagem do Evangelho de hoje Jesus deixa claro que Deus quer transformar as pessoas. Deus quer fazer que nossa vida seja útil para alguém. Ele quer nos libertar do sentimento de inutilidade e preencher o vazio religioso, espiritual e afetivo dentro de nós.

Martin Lutero dizia que ali onde está o teu coração, ali também está o teu deus (num comentário sobre Mt 6.21). Aquilo que for mais importante em sua vida, isso é o teu deus. Para algumas pessoas o mais importante é a família, para outras o trabalho, o dinheiro. Lutero dizia que deus que você escolheu – os valores que você escolheu para sua vida – isso vai determinar a sua vida – para melhor ou para pior.

O Evangelho nos convida para que deixemos os valores de Jesus nos transformar em pessoas mais solidárias, mais felizes. Essa felicidade virá por saber que somos úteis para a vida de alguém. Essa é a verdadeira forma de vida que vale a pena ser vivida.
Amém.


 


Autor(a): Nilton Giese
Âmbito: IECLB / Sinodo: Sudeste / Paróquia: Belo Horizonte (MG)
Área: Confessionalidade / Nível: Confessionalidade - Prédicas e Meditações
Área: Comunicação / Nível: Comunicação - Programas de Rádio
Testamento: Novo / Livro: Marcos / Capitulo: 8 / Versículo Inicial: 31 / Versículo Final: 38
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 45992
MÍDIATECA
REDE DE RECURSOS
+
É mais consolador ter Deus como amigo do que a amizade do mundo inteiro.
Martim Lutero
© Copyright 2018 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br