Miqueias 6.1-8 - 4º Domingo após Epifania - 29.01.2017

Caderno de Cultos 2017

29/01/2017

LITURGIA DE ABERTURA

ACOLHIDA
“Hoje saberás, e refletirás no teu coração, que só o Senhor é Deus em cima no céu, e embaixo na terra; nenhum outro há” (Deuteronômio 4.39). Este é o nosso Deus. E ele é fiel no cumprimento de suas promessas. Eis a boa nova do Evangelho! Desejamos as boas-vindas a vocês que aceitaram o convite de Deus, e vieram até a sua casa para orar, louvar e agradecer. Desfrutemos deste tempo especial de comunhão com Deus e com nossos irmãos e irmãs na fé.

Acolher os/as visitantes

CANTO DE ENTRADA
Nº 333 – HPD II – Canção da chegada

Ou: Nº ____________________________________________________

SAUDAÇÃO
É por Deus que aqui estamos; por Cristo, seu Filho, que se revela a nós, do jeito que nós somos, e pelo Espírito Santo, que vem como auxílio, como consolo, como socorro. Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (+). Amém!

CANTOS DE INVOCAÇÃO
Nº 365 – HPD II – Vem, Espírito Santo, vem

Ou: Nº ____________________________________________________

CONFISSÃO DE PECADOS
Por estarmos reunidos na presença do Senhor, reconhecemos e confessamos humildemente nossas fraquezas, limitações, imperfeições – nossos pecados. Inicialmente, fiquemos em silêncio e cada qual faça sua confissão pessoal. (Silêncio)
(Depois) Senhor, obrigado porque cumpriste tua promessa de estar conosco em todos os dias de nossa vida, e por enviar teu Santo Espírito sobre nós. Ele nos encoraja a chegarmos a ti com inteira confiança para confessar-te que não somos dignos de sermos chamados teus filhos e tuas filhas. Nossa fé é fraca. Nosso amor é falho. Nosso testemunho não tem vigor e nossa vida pouco reflete do infinito amor que tens demonstrado para conosco. A comunhão entre nós deixa muito a desejar. Damos atenção a tantas palavras, menos à tua Palavra. Por todos os nossos pecados: Perdoa-nos, Senhor, e concede-nos a graça de um novo começo. Amém.

ANÚNCIO DO PERDÃO
Antes de tudo e de todos está o amor de Deus, pois “Ele nos amou primeiro.” Assim, anuncio a todos os que com sinceridade fizeram a sua confissão o perdão de seus pecados. Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (+). Amém!

KYRIE
Somos seres criados à imagem e semelhança de Deus, e por isso, temos como missão cuidar bem de tudo aqui que Deus nos concedeu. Porém, em muitas partes do mundo, perto ou longe de nós, a dignidade da vida, tanto da natureza como do ser humano, está ameaçada. Cantemos, pois, rogando a misericórdia de Deus:

Nº 408 – HPD II – Tem misericórdia de mim

GLÓRIA IN EXCELSIS
Clamamos porque cremos que Deus nos ouve. Sim, Deus ouve e caminha conosco. Em cada culto, ele vem na Palavra e na Ceia. Por causa dessa presença, nossa história está repleta de fatos que são motivo para alegria, gratidão e louvor perante Deus.

Nº 263 – HPD I – Bendirei ao Senhor em todo o tempo

ORAÇÃO DO DIA
Oremos: Senhor, que orientaste e acompanhaste o teu povo em todos os tempos, concede-nos confiança na tua presença para que, movidos pela gratidão, sejamos pessoas que ofertam o seu tempo, os seus dons, os seus bens ao serviço do teu Reino. Porém, acima de tudo, permite-nos oferecer toda a nossa vida a ti. Por Jesus Cristo, teu querido Filho, que contigo e com o Espírito Santo vive e reina, de eternidade a eternidade. Amém.

LITURGIA DA PALAVRA

LEITURAS BÍBLICAS

1ª Leitura Bíblica: 1 Coríntios 1.18-31

Aclamação do Evangelho: “Jesus leu no livro do profeta Isaías: O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos”. (Lucas 4.18)

2ª Leitura Bíblica: Mateus 5.1-12

CÂNTICO INTERMEDIÁRIO
Nº 400 – HPD II – Bem-aventurados

PREGAÇÃO

Que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus, o Pai, e a comunhão do Espírito Santo seja com todos e todas nós. Amém!

Estimada comunidade!

Há poucas semanas iniciamos um novo ano. Sempre que um ciclo de vida se encerra, buscamos fazer avaliações sobre o tempo que passou. Estas avaliações nos levam a refletir sobre perguntas que dão sentido à nossa existência: O que é bom? O que Deus pede de ti? O que Deus pede de nós?
Estas perguntas têm acompanhado as pessoas que se preocupam com uma vida boa, de acordo com a vontade de Deus. Existem aqueles que defendem a ideia de que bom é aquilo que traz ao ser humano benefícios pessoais, colocando o ‘eu’, isto é, o indivíduo, no centro. No entanto, esta linha de pensamento nem sempre foi e é usada com responsabilidade, gerando individualismo e egoísmo aos extremos. Em nosso cotidiano é normal ouvirmos pessoas afirmando: ‘Preciso vencer a qualquer custo!’ E, assim, muitos usando a prática do ‘jeitinho’, e vão passando outros para trás para conseguirem altos cargos e bons salários. Esta forma de viver tem gerado um abismo cada vez maior entre pobres e ricos.
A louca correria pelo sucesso por um lado e pela sobrevivência por outro lado também tem gerado pessoas estressadas, nervosas, solitárias. Muitas pessoas se isolam, seja na frente de um computador ou fechadas atrás de grandes muros, com medo da violência. Nos últimos anos cresceu a procura por psicólogos, psiquiatras, inclusive, aumentou a leitura de livros de autoajuda. O consumismo, onde se compra o que não é necessário, gerando lixo sem fim é outra característica da sociedade que nos cerca. Dentro desta realidade também a natureza geme de dores e temos presenciado muitas catástrofes. Será que esta é realmente uma vida boa diante dos olhos de Deus?
Nesta forma de viver, é interessante observar que também se desenvolveu uma relação individualista com o próprio Deus. Procura-se negociar com Deus, desenvolvendo-se uma teologia da retribuição e da prosperidade, onde se troca dízimos por bênçãos, saúde, prosperidade, riqueza, milagres. Será que é isto que Deus pede de ti? Será que é isto que Deus pede de nós?
O texto do Antigo Testamento para o dia de hoje nos pede que olhemos essas questões de uma perspectiva interessante. O texto apresenta um cenário de julgamento. Miqueias atua como advogado de acusação. Baseado em tudo o que as Sagradas Escrituras deixam claro, a saber, que Deus é incondicionalmente amável justo, Miqueias acusou os réus (o povo de Deus), de não obedecer aos mandamentos de Deus. A defesa responde dizendo que, na verdade, ofereceu sacrifícios de bezerros e carneiros e até mesmo de crianças primogênitas. O que mais poderia ter feito para agradar a Deus? Miqueias então afirma que os rituais religiosos, por si só, não servem para nada. As bênçãos de Deus destinam-se a incentivar os seus filhos a serem bênçãos para os outros. Esse é o sentido da verdadeira religião.
Prezada comunidade! O texto inicia chamando o povo à responsabilidade. A palavra povo refere-se, provavelmente, também às lideranças políticas, religiosas e às elites. As montanhas e os outeiros, regiões altas e baixas, toda a criação, são testemunhas das acusações de Deus contra o povo. Ressaltam-se os benefícios de Deus e a ingratidão do povo. A história do Êxodo e a conquista da terra prometida são relembradas. Os grandes líderes são mencionados: Moisés, Arão e Miriã. Trazer à memória é trazer ao coração os grandes feitos de Deus e isto ajuda a permanecer nos caminhos da justiça, misericórdia e humildade. O povo quer encontrar uma saída para aplacar a ira de Deus, por isto a pergunta central, no versículo 6 é: O que é que eu levarei quando for adorar o Senhor?
Na sequência são apresentadas respostas, em forma de perguntas, que vão num crescendo em termos de valor material, comercial, familiar e pessoal. Sacrifícios são tentativas de amenizar a ira de Deus. A pergunta levantada no versículo 6 desemboca em novas perguntas: Será que o Senhor se agradará de milhares de carneiros, ou de milhares e milhares de rios de azeite? É com a oferta de grandes bens materiais e comerciais que o povo pecador quer se apresentar diante de Deus. As ofertas a Deus tornam-se cada vez maiores. O versículo 7 termina com uma pergunta muito forte: Será que deverei oferecer o meu filho mais velho como sacrifício para pagar os meus pecados e as minhas maldades?
É interessante observar que as perguntas e os argumentos levantados pelo povo a fim de se aproximar de Deus, também o fazem afastar-se cada vez mais do criador e sustentador da vida. Deus não quer nenhum tipo de sacrifício. Não são as obras que salvam. Ter uma vida boa não se resume em oferecer holocaustos a Deus para em troca receber benefícios. Sabemos muito bem que Deus quer mais do que o nosso tempo, dinheiro ou talentos. Deus quer, como Miqueias poderia ter dito, não milhares de carneiros sacrificados em rituais religiosos, porém, milhares de atos diários oferecidos em amor.
Nos versículos 4 e 5, o povo é lembrado de todas as bênçãos que já recebeu de Deus. Miqueias lembra que Deus os tirou da terra do Egito. Ele lhes deu líderes como Moisés, Arão e Miriã. E ele realizou muitos atos de salvação, como nas histórias sobre Balaque e Balaão. Da mesma forma, nós sabemos as bênçãos que Deus compartilhou conosco. Podemos celebrar os dons da graça, do perdão, da vida, do amor e da esperança. O que experimentamos do amor de Deus através dos ensinamentos, do sacrifício e da ressurreição de Jesus, nos dá força e confiança ao nosso andar diário. Sabemos que, porque Jesus viveu e morreu e se levantou para nossa justificação, temos a vida que enfrenta derrotas com coragem e dúvidas com confiança. Devemos nos deixar ser capacitados pelas bênçãos de Deus.
O profeta anuncia no versículo 8 o que é bom e o que Deus pede de ti, de nós: O Senhor já nos mostrou o que é bom, ele já disse o que exige de nós. O que ele quer é que façamos o que é direito, que amemos um ao outro com dedicação e que vivamos em humilde obediência ao nosso Deus. Também Jesus, através das Bem-Aventuranças, confirma o que Miqueias já havia dito: Felizes as pessoas que têm misericórdia dos outros, pois Deus terá misericórdia delas (Mateus 5.7). Juntos, estes textos resumem como podemos fazer a vontade de Deus. Deus nos abençoa com estas bênçãos nas bem-aventuranças: conforto, misericórdia, pureza e paz, e nós, alcançados por suas bênçãos, as repassamos para outros, que por sua vez as devolvem para nós, gerando um círculo de justiça, misericórdia e humildade. Na comunidade, aprendemos como ser uma bênção para os outros e como receber bênçãos dos outros. E é este círculo entre nós que nos fortalece e nos apoia.
Que possamos sempre trazer à memória a caminhada árdua do povo no deserto e reconhecer a experiência vivida com a presença de Deus, que não desamparou e nem abandonou o seu povo nas dificuldades. Assim também Deus continua nos acompanhando nos desertos e nas dificuldades. É necessário que mudanças aconteçam em nossa vida e em nossa sociedade, em nossas relações cotidianas. A nossa motivação necessita ser a gratidão por tudo que Deus tem realizado em nossas vidas. Não estamos prontos, nem estamos no centro no mundo, mas vivemos em relação com outras pessoas, com a sociedade, com a natureza e com o próprio Deus.
Nós, cristãos e cristãs, somos chamados a fazer a diferença neste mundo. Já nos foi anunciado o que é bom e o que Deus pede de ti e de nós: praticar a justiça, amar a misericórdia e andar humildemente com Deus. Sabemos, com certeza, que muitas vezes deixamos de permitir que misericórdia e a justiça de Deus fluam através de nós para alcançar e tocar os outros. No entanto, as escrituras nos lembram: O amor do Senhor Deus não se acaba, e a sua bondade não tem fim (Lamentações 3.22). Por isso, podemos colocar nosso passado atrás de nós, e buscar compartilhar o amor de Deus hoje e sempre. Coloquemo-nos a caminho com alegria, sob o cuidado, a graça e a bênção de Deus. Amém!

HINO
Nº 437 – HPD II – Quando o Espírito de Deus soprou

CONFISSÃO DE FÉ
Confessemos nossa fé no Trino Deus, através das palavras do Credo Apostólico:

Creio em Deus Pai, ...

CANTO PÓS CONFISSÃO (proceder motivação e o recolhimento das ofertas)
Nº 425 – HPD II – Repartir

ORAÇÃO DE INTERCESSÃO
Motivos de Oração:
1. Aniversariantes
2._______________________________________________________
3._______________________________________________________
4._______________________________________________________
5._______________________________________________________
6._______________________________________________________

Oremos: Gracioso Deus e Pai! Graças te rendemos por mais este dia que nos recebeste em tua casa e nos ensinaste através da tua santa Palavra. Olha por todos nós, e leva-nos a uma verdadeira conversão e ao consequente compromisso com os irmãos e irmãs excluídos. Olha para a nossa vida, nossos medos, pesares, sofrimentos e desencontros, dá-nos força para vencer o que nos afasta de ti.
Inspira nossos líderes e governantes, para que tocados pelo teu amor, dediquem-se inteiramente na construção da justiça, da solidariedade e da paz. Inspira tua bondade em todos e todas que têm o poder, a chance de fazer o bem, de consertar vidas, de defender a dignidade, para que atuem em favor dos oprimidos e não se calem e acomodem com o sofrimento e a impunidade.
Bondoso Deus, em tuas mãos nós colocamos nossa vida. Ajuda-nos a vivermos o ‘sacrifício’ agradável a ti. Dá que, comprometidos com nosso Batismo, vivamos penitência e reconciliação diários, buscando sempre de novo a tua vontade. Tudo aquilo que está no profundo de nossos corações, trazemos diante de ti, rogamos que nos ouças e nos atendas conforme a tua bondade. Confiantes em ti, unimos nossas vozes e juntos oremos como Jesus Cristo nos ensinou: Pai nosso...


PAI NOSSO
Pai nosso ...

LITURGIA DE DESPEDIDA

AVISOS
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ h.
Oferta último Culto: R$ _________ - destinada para ...
______________ _________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________

BÊNÇÃO
Abençoados são vocês, que confiam no Senhor e depositam sua esperança em Deus. Vocês são como uma árvore plantada junto às águas, que estende suas raízes para o ribeiro. Quando vem o calor, vocês não temem, suas folhas permanecem verdes. Vocês não se afligem no ano da sequidão, nem deixam de dar frutos. Abençoados são vocês. Vão na paz do Senhor. Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (+). Amém.

ENVIO
Que teus dias tenham paz e tuas noites merecido repouso; que não morram tuas esperanças nem se apaguem tuas ilusões; que sempre brilhe em teu céu a luz de mil sóis; que teus passos sejam firmes e tua mão sempre generosa, que sejam claros teus pensamentos e nobres teus sentimentos; que possas sempre beber água fresca da fonte do amor, e que nunca te falte o pão diário da imensa graça de Deus. Vai em paz e sirvam ao Senhor com alegria.

CANTO FINAL
Nº 118 – HPD I – Deus vos guarde pelo seu poder
 


Autor(a): Pa. Gizele Zimmermann
Âmbito: IECLB / Sinodo: Mato Grosso
Área: Celebração / Nível: Celebração - Ano Eclesiástico / Subnível: Celebração - Ano Eclesiástico - Ciclo do Natal
Natureza do Domingo: Epifania
Perfil do Domingo: 4º Domingo após Epifania
Testamento: Antigo / Livro: Miqueias / Capitulo: 6 / Versículo Inicial: 1 / Versículo Final: 8
Título da publicação: Caderno de Cultos - Sínodo Mato Grosso / Ano: 2017
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 40730
REDE DE RECURSOS
+
Deus não se afasta de ninguém, pois está em toda a parte.
Martim Lutero
© Copyright 2017 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br