Meu trabalho como Leigo nas Comunidades .... - Frederico Schneider

10/10/1990

Deutsche Evangelische Kirche
Igreja Evangélica Alemã

Agora

Igreja Evangélica de Confissão Lutherana no Brasil


Meu trabalho como Leigo nas Comunidades de Rio Claro, São Paulo, Santo André,São Bernardo,São Caetano e Mauá

Dados pessoais

Nome: Frederico Schneider.

Nascido em 4 de Junho de 1912,em Rio Claro.

Batizado em 20 de Junho do 1912,e confirmado em 10 de Abril de 1927,em Rio Claro,pelo inesquecível Pastor Theodor Koelle,que foi um verdadeiro Cura de Almas(ein richtiger Seelsorger).

Casei-me em 21 de Maio de 1946, em São Paulo,na Igreja do Centro,Avenida Rio Branco,34, cerimônia realizada pelo meu particular amigo,Pastor Gerhard Graetz,de Rio Claro,com a Senhorita Alexandrina Gulardins,que pertence a Igreja Presbiteriana Independente,onde ocupava os seguintes cargos: Organista,Presidente da Associação dos Jovens,Professora da Escola Dominical, e tomava parte no Coral da Igreja.

Frequentei a antiga Deutsche Schule(Escola Alemã)durante os anos de 1922 até 1925, que foi fundada em 3 de Dezembro de 1883,pelo Professor Theodor Koelle,hoje o afamado Colégio Koelle que em Dezembro deste ano completará seus 107 anos de existência,e que no ano passado contava com 1325 alunos,desde o Jardim de Infância até o 3° ano Colegial.


Atendendo aos pedidos de bons amigos há anos atrás,inclusive do próprio P.Guido Tornquist, resolvi agora fazer um relatório sobre minhas atividades nas diversas Paróquias da nossa IECLB,não para receber elogios,mas para,como me aconselhou naquela ocasião o P.Tornquist, para servir de exemplo para outras pessoas das nossas Comunidades,que talvez tenham vontade de cooperar no trabalho da Comunidade,mas faltam-lhes a coragem.

Seria ingratidão de minha parte, se eu não começasse este relatório, mencionando meus conhecimentos sobre como se formou a Colônia Alemã, e, principalmente a nossa Comunidade de Rio Claro, onde aprendi a colaborar no trabalho da pregação do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.


Fundação da Colônia e da Igreja Alemã em Rio Claro

No ano de 1852,chegaram no interior de São Paulo,os primeiros imigrantes alemães, que em 1860,fixaram-se em Rio Claro, acompanhados de alguns suíços,fundando então o bairro chamado de Vila Alemã,existente até os dias de hoje.

Entre esses primeiros emigrantes de uma lista de mais ou menos 40 nomes de famílias constam os nomes das famílias SCHNEIDER e EICHENBERGER,que eram os meus avós paternos. Schneider,alemães,e Eichenberger,suíços, avós maternos.

Até os dias de hoje,na Comunidade de Rio Claro,ainda existem membros ativos destas duas famílias,já nas 3a.,4ªe 5ª gerações,que ocupam atualmente os seguintes cargos: Erica Schneider,pertence ao Conselho Fiscal e é a Tesoureira e Professora da Escola Dominical Mônica Schneider Iamonte,é Coordenadora da Escola Dominical e Suplente do Presbitério. Liselote Eichenberger Palota,é organista e regente do Coral. Julia Schneider Timm,é também organista e regente do Coral substituta.

Essas duas organistas,minhas primas,Liselote do lado materno e Julia do lado paterno,substituem a Professora Dona Emma Koelle,que foi organista por mais de 60 anos.

Todas as 3 organistas mencionadas são professoras de piano,já aposentadas. Adelia Thienemann Schneider,minha cunhada,toma parte no Coral há mais de 62 anos. Guilherme Schneider (Willi)meu irmão,com seus quase 75 anos,presta serviços gerais.

De membros da Comunidade de Rio Claro,já se formaram um pastor,Senhor Ernesto Fischer e uma pastora Senhora Edna Moga Ramminger,casada com o Pastor Otto Hermann Ramminger.

Atualmente a Comunidade de Rio Claro conta com 8 Leitores/ Pregadores leigos, dos quais os quatro mais velhos foram meus alunos na Escola Dominical em Rio Claro, sendo eles:Theodoro Paulo Koelle, Otto Daniele Cerri , Augusto Kruegner o Gerhard Haupt.

No ano do 1863 os alemães e suíços, dirigidos por Eduardo Bohn, resolvem construir um Cemitério Alemão, hoje chamado de Cemitério Evangélico, que foi inaugurado em l2 de julho de l865, pelo Pastor Presbiteriano F.J.C. Schneider,do São Paulo, isso porque o povo de Rio Claro, não permitia que os Evangélicos fossem enterrados no Cemitério Católico, quando então eles eram enterrados no mato atrás do cemitério.

Em 7 de dezembro de 1864 nasce Theodor Albert Koelle,em Thieringen,na Alemanha.

Bm 1865 Eduardo Bohn, professor de piano e canto, é autorizado a assumir o cargo de pastor em Rio Claro.

Em 26 de agosto de 1869 chega ao Brasil o Pastor Johann Jacob Zink, primeiro pastor luterano no Estado de São Paulo, que residiu em São Paulo até o ano de l877, mudando-se para Rio Claro, onde permaneceu até o ano de l89l,mudando-se em seguida para Campinas, onde tornou-se também professor, tendo falecido em 31 do março de 1918.

Em Outubro de 1874 chega ao Brasil o pastor Friedrich Mueller que assume o pastorado na Comunidade de Pires, povoado perto de Limeira, e que visitou Rio Claro pela primeira vez em 29 de agosto de l875. Depois ajudou atendendo a Comunidade quando possível, porque o professor Eduardo Bohn havia renunciado o cargo de pastor um mês antes.

Em 22 de setembro de 1883 é lançada a pedra fundamental da primeira Igreja Lutherana em Rio Claro, onde já existiam 40 famílias evangélicas.

Em 2 de dezembro de 1883 por intermédio do Pastor Zink, chega em Rio Claro, o jovem Professor Theodor Koelle com seus 19 anos de idade. Já no dia seguinte, 3 de dezembro de 1883, inicia seu trabalho como professor, cuja data é considerada como a Fundação do Colégio Koelle, em Rio Claro, o qual em dezembro neste ano de 1990 completa seus 107 anos.

Em 9 de março de 1884 é inaugurada a primeira Igreja Evangélica Alemã de Rio Claro, pelos Pastores Zink e Mueller.Durante o mesmo ano inicia-se o trabalho com a Escola Dominical.

Durante os anos de 1891 a l897 a Comunidade de Rio Claro ficou sem pastor efetivo, sendo então atendida pelos pastores Zink e Mueller, e principalmente pelo Professor Theodor Koelle, que não somente realizava os cultos como também visitava os membros da Comunidade.

Em 3 de Abril de 1892 formou-se o Kirchenchor (Coral) atualmente com seus 98 anos de existência permanente. Isso porque, quando durante a segunda Guerra Mundial foi proibido falar e cantar em alemão, nós do Coral, nos dias festivos da Igreja, cantávamos hinos em LATIM, ensaiados pelo Regente que era o próprio Pastor Graetz.

Em 1892 a febre amarela grassa em Rio Claro, durante a qual morrem 30 membros da Comunidade Lutherana , entre as quais uma velha Senhora que mandou chamar o ainda Professor Koelle, e disse a ele, que só morreria sossegada se ele prometesse a ela que ele acompanharia o seu enterro, o que estava proibido. Ele prometeu e foi. Morriam diariamente tantas pessoas que eram enterradas era grandes valas, cujos cadáveres eram apenas envolvidos em lençóis e transportados em carroças até o cemitério, sem acompanhamento.
Em 1896 a febre amarela volta a grassar em Rio Claro e cidades circunvizinhas.

Em abril de 1897 o professor Theodor Koelle viaja para a Alemanha, onde a pedido da Comunidade de Rio Claro, presta exame teológico, e em 11 de julho do mesmo ano foi ordenado Pastor da Igreja Lutherana.

Em agosto, o então já Pastor Koelle retorna ao Brasil, onde no dia 12 de Setembro de l897 assume o pastorado da Comunidade de Rio Claro.

Em 1898,0 Pastor Koelle inicia a fundação do Frauenverein (OASE)da qual minha mãe foi membro fundadora.

Em 11 de Novembro de 1900 inaugura-se a torre da Igreja com seus 3 sinos fabricados em Jundiaí.

Em 9 de junho de 1906 a Comunidade de Rio Claro adquire condição Jurídica.

Era 15 de Abril de 1917 já no fim da primeira Guerra Mundial, tanto a Igreja como a Escola, devido sua origem alemã, foram barbaramente apedrejadas pelo povo que festejava a derrota da Alemanha, fazendo o enterro do Kaiser,com um caixão de defunto, onde dentro estava deitado um alcoólatra português, representando o Kaiser.

Em 11 de junho de 1922 é fundado, por iniciativa do Pastor Koelle, o Gustav Adolf Verein ( Obra Gustavo Adolfo) no Estado de São Paulo.

Era 15 de julho de 1923 é lançada a pedra fundamental da nova Igreja,que foi inaugurada em 9 de Março de 1924 pelos pastores Theodor Koelle e o Pastor Hoepfner,do Rio de Janeiro,justo 40 anos após a inauguração da primeira Igreja,tendo portanto atualmente seus 106 anos de atividades ininterruptas.

Em 1930 chega em Rio Claro o Vikar Gerhard Graetz como assistente do Pastor Koelle.

Em 28 de fevereiro do 1932 lança-se n pedra fundamental da Casa Pastoral na esquina da Rua 5 com a Avenida 16.

Em 1937 a Professora Dona Julia Koelle forma o Maedchenbund União das Moças )que em junho de 1939 se uniu ao Jugendbund passando a denominar-se Mocidade Evangélica.

Em 9 de setembro de 1937 foi realizada a comemoração dos 40 anos de atividades do Pastor Theodor Koelle na Comunidade de Rio Claro.
Em 15 de novembro de 1937 morre o querido Pastor Koelle,que foi sepultado no dia seguinte no Cemitério Evangélico,após comovente ato religioso com enorme acompanhamento do povo de Rio Claro e o tristonho badalar do sino não só da nossa Igreja,mas também da Igreja Católica,em homenagem ao falecido Pastor.

Em 26 de março de 1939 dirigi o meu primeiro Culto de Leitura em Ferraz, uma filial da Comunidade de Rio Claro.

Em 9 de março de 1941 fui eleito Presbítero da Comunidade de Rio Claro para preencher a vaga deixada,devido a mudança do Presbítero Ernesto Fischer para São Leopoldo. Eu não queria aceitar o cargo devido a grande responsabilidade que o mesmo exigia,e eu tinha apenas 28 anos de idade. Fui convidado pelos outros Presbíteros,entre eles o meu ex-professor Dr.Paulo Koelle,e finalmente pelo próprio Pastor Graetz,que me disse que ele mesmo iria me propor em nome dos demais Presbíteros. De um lado eu pensava em aceitar o cargo,devido o interesse que eu tinha pelo trabalho da Igreja,mas do outro lado eu tinha medo devido a responsabilidade que o cargo trazia.

No sábado anterior,de noite, fui fazer a minha Hora Devocional,e orei fervorosamente a Deus,pedindo que Ele resolvesse o meu caso. Fiz a leitura indicada para o dia,meditei sobre a mesma,e em seguida fiz a leitura do Abreisskalender(hoje o Devocionário Castelo Forte )e quando virei a folha,recebi a resposta definitiva,onde constava os versos 5 a 7 do hino 234 em alemão,que dizia:Glaub nur feste,dass das Beste ueber dich beschlossen sei. No Hinário Português é o Hino 218 versos 4 a 6.Recebi a resposta da minha oração. Estava resolvido o meu caso. Devo aceitar o cargo para o qual por proposta do Pastor Graetz,em nome dos demais Presbiteros,fui unanimemente eleito.

Em 7 de dezembro de 1964 é inaugurada nas imediações do Colégio Koelle,pelo Prefeito de Rio Claro, Dr.Augusto Schmidt Filho,meu primo,a Praça Professor e Pastor Theodoro Koelle em homenagem ao grande Mestre que ele foi.

Galeria dos Pastores de Rio Claro.
Pastor Zink 1877-1891.
Pastor Koelle 1897-1932.
Pastor Graetz 1932-1977.
Pastor Hennig 1978-1980.
Pastor Kappel 1981-1988.
Pastor Schmidt 1989-

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬

Agora segue a relação das minhas atividades pessoais nas diversas Comunidades.


RIO CLARO

Em 1926 fui membro fundador do Evangelischer Jugendbund,fundado e dirigido pelo Professor da Escola Alemã,Senhor Alfred Roth.

Em 1927 entrei no Coral,que tinha como Regente o Prof.Alfred Roth,que também era o organista da Comunidade naquela ocasião.

Em 7 de dezembro de 1928 formamos o Posaunenchor,no qual eu tocava o primeiro pistão.Éramos apenas 5 pessoas mais o instrutor. O nosso entusiasmo era tanto,que em 24 dias aprendemos a escala com suas apenas 3 teclas,para tocar os instrumentos. Ensaiamos 2 hinos,um para despedida do Ano Velho,e outro para receber o Ano Novo,antes e depois das das 12 badaladas da meia noite,incluindo o costumeira badalar dos 3 sinos da Igreja.

Em 1° de janeiro de 1933, atendendo ao pedido do Pastor Graetz, assumi o lugar de professor da Escola Dominical no Departamento dos Cordeirinhos,iniciando esse trabalho com 2 classes existentes, tendo também como professor iniciante,meu amigo Alfredo Kruegner que tocava violino para acompanhar e ensaiar os hinos. Iniciamos o trabalho com 40 alunos e no fim do ano tínhamos 61 alunos,número que foi aumentando para 85 alunos nos anos posteriores,quando então eu passei para Superintendente das 5 classes formadas. Desde 1º.de janeiro de 1933 até 2 de Maio de 1943, isto é,durante 10 anos e 4 meses,passaram pelas minhas mãos 789 alunos,conforme meu registro existente. No último domingo que estivo presente o Pastor Graetz reuniu as 5 classes dos Cordeirinhos com as demais classes que tinham as aulas na própria Igreja,falando sobre a minha despedida,cujas palavras guardo até hoje,47 anos depois ,na minha mente e no meu coração.

No último ensaio do Coral que estivo presento fui despedido com o Hino Pai Nosso. Na última reunião da Mocidade,o Pastor Graetz fez minha despedida baseado no Hino 118, do nosso atual Hinário. Somente que ele trocava as palavras de Deus vos guarde pelo seu poder, para Deus TE guarde. Tenho até hoje a folha do papel que o Pastor leu,bem guardada.

Em 4 de junho de 1933, domingo de Pentecostes,eu completei 21 anos de idade,e durante o Culto com Santa Ceia,eu orei fervorosamente dedicando a Deus a minha vida no trabalho da Pregação do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.

MINHA MUDANÇA PARA SANTO ANDRÉ

Em 9 de Maio de 1943 mudei para Santo André,por motivos familiares. Minha mãe andava muito doente e os médicos de Rio Claro melhoravam seu estado de saúde,mas não a curavam. Naquela ocasião foi-me oferecido o emprego de modelador pela Companhia Fichet,que me ofereceu o dobro de ordenado para começar a trabalhar. Por dinheiro algum eu mudaria de Rio Claro,devido o amor e amizade que eu tinha com o povo da Comunidade,mas pensando na saúde de minha mãe,aceitei o emprego e mudei para Santo André. Sofri muito intimamente porque não podia deixar meus irmãos e principalmente minha mãe perceber o meu sofrimento.

Mas o meu sofrer e sacrifício foi abençoado por Deus,pois os médicos aqui curaram minha mãe,que ainda viveu 24 anos,alcançando a idade de quase 84anos,com boa saúde.

Em 20 de maio de 1944, um ano após a minha mudança,a meia noite levantei-me da cama e desabafei a minha angústia e saudades na seguinte poesia:

Vivo por este mundo
vagando,sem ver o fim,
sem ter a esperança
de vida ridente pra mim.

Não sei porque esta angústia
e tanta preocupação,
pois vivo sofrendo em renúncia,
saudades do meu torrão.

Sofrendo os revezes da vida
pra lá eu queria voltar,
de novo para aquela lida
que eu tinha no meu doce lar.

De ti,meu lar tão tranquilo,
jamais me posso esquecer!
a ti confio em sigilo,
quão grande é o meu sofrer.

Saudades, saudades infindas,
Eu sinto de noite e de dia,
daquelas pessoas amigas
com quem eu convivia.

Sofrendo eu vivo calado,
guardando no meu coração,
já um tanto amargurado,
o amor de filho e de irmão.

Meus passos dirijo avante,
na fé,eu hei de vencer;
já me brilha um bom levante:
É CRISTO QUE ME VEM SOCORRER.

Entre os meses de junho de 1943 até fevereiro de 1945 frequentei a Igreja Presbiteriana Independente em Santo André, onde a convite dei aulas na Escola Dominical, dirigi Culto na quarta-feira, frequentei as reuniões da Mocidade e tomava parte no Coral. Recebi convites para assumir cargos na Igreja, mas a minha resposta era ,que eu me reservava para o trabalho na minha Igreja Lutherana.

SÃO PAULO – HEYDENREICH-HAUS

Durante um encontro entre o Pastor Graetz, acompanhado do Dr.Paulo Koelle de Rio Claro e o Pastor Begrich de São Paulo,foi lembrado o meu nome,e baseado nas informações recebidas,o Pastor Begrich, após um culto que fui assistir em São Paulo, me convidou para organizar uma Escola Dominical no Heydenreich-Haus,no Bairro Paraíso. Resolvi atender o pedido em 25 de fevereiro de 1945,domingo Reminiscere. Iniciamos o trabalho com 23 alunos,e ,já no fim do ano tínhamos 45 alunos. Até o ano de 1948,eu estava sozinho, e o numero de alunos ia crescendo até chegarmos a 75 crianças,com frequência média de 68 crianças. Também frequentavam as aulas Jovens já confirmados,dos quais eu convidei uma moça e um rapaz para auxiliares. Eles disseram que sim,mas que não sabiam como fazer. Então eu propus a eles, para quando terminasse e aula,para eles ficarem comigo mais uns 10 minutos,que eu preparava eles para a lição do próximo domingo. Assim foi feito,cada domingo um dava a lição no inicio,e em seguida eu completava a mesma.

Depois que cada um iniciou a aula por 4 vezes,eu dividi as crianças em 3 classes, de acordo com as idades,e para terminar a aula eu reunia as classes,e fazia perguntas para verificar o aproveitamento e compreensão das crianças.

Com o início do trabalho na Igreja da Paz,em Santo Amaro,pelo Pastor Zander,os nossos alunos que na grande maioria eram de lá,o Pastor Begrich propôs para que com a festa de Natal em Dezembro de 1956 terminasse o trabalho,depois de 12 anos,no Haydenreich-Haus.

Substituindo os Pastores Begrich e Filarski,realizei Cultos desde 1945 nas Comunidades de Santo André,São Caetano, Mauá,e nos bairros de São Paulo:Santana,Tucuruvi,Tremembé e Guarulhos.

Terminando este relatório,tenho o prazer de contar que o atual Presidente da União Paroquial do Grande São Paulo,Senhor Heiner Dauch,foi meu aluno na Escola Dominical no Heydenreich-Haus,e anos atrás,durante um Concílio realizado em Santo André, apresentando-me o Senhor seu pai,deu o seguinte testemunho: Papa,este Senhor é o Pastor Schneider,que o Senhor conhece só de nome. Ele foi a primeira pessoa que me fez conhecer JESUS CRISTO.

SAO CAETANO

Em 25 de maio de 195 substituí o Pastor Reichardt na Escola Dominical em São Caetano contando com 8 alunos. O número de alunos foi crescendo,e cheguei,também sozinho,formar uma classe com 57 alunos. No ano de 1967 consegui a cooperação de duas ex-alunas nas pessoas de Irene Schmidt e Marta Sandra Konigonis. Nos primeiros anos,quando eu não podia dirigir as aulas,eu era substituído por minha esposa Alexandrina,que é Presbiteriana Independente. Desde o ano de 1957 realizei muitos Cultos só no ABC,substituindo os Pastores Fi¬larski, Reichardt, Fischer, Dietrich Otto, Tornquist e Krause,tendo também realizado 7 enterros.

Também consegui a colaboração do Senhor Roberto Schmidt e de seu filho Roberto,que nos alegravam acompanhando os hinos com violino e acordeão nos programas que apresentávamos na Festa de Natal e no Dia das Mães. No ano de 1966 conseguimos reunir 176 pessoas. Neste dia 8 de maio de 1966 minha mãe completava 83 anos de idade,e estava presente na festa acompanhada de todos os filhos,filha,noras,genro,e todos os netos.

Em 1962,devido a viagem de férias para a Alemanha,foi-me confiado a direção do Curso de Preparação dos Confirmandos pelo P.Reichardt,que os confirmou no dia 30-12-62.

SANTO ANDRÉ

Em 12 de julho de 1970,foi inaugurada a Igreja da Ressurreição,em Santo André,onde reuniu as Comunidades do ABC. Eu passei a dirigir os Cultos todos os terceiros domingos quando o nosso pastor ia dirigir o Culto em Santos.

Em 2 de agosto de 1973 iniciei a organização da Escola Dominical com 15 alunos,e no fim do ano já tínhamos 33 alunos inscritos, contando com 4 professoras,minhas ex-alunas.

Em 27 de dezembro de 1970,domingo após o Natal,dei minha última aula,completando exatamente 38 anos de trabalho como Professor,Superintendente e Organizador de Escola Dominical.

Em 27 de junho de 1982 fui homenageado com um almoço Comunitário pelos meus 70 anos de idade e 50 anos de Pregação do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo,recebendo como lembrança um cartão de Prata. Estava presente o Pastor Luehrs da Alemanha que me quis levar para lá,porque nunca soube de um membro Leigo na Alemanha ser fiel a Igreja tantos anos.

Em 18 de Junho de 1989,realizei meu último Culto,após 55 anos e meio de trabalho nas diversas Comunidades da nossa querida Igreja Evangélica Alemã,hoje chamada de Igreja Evangélica de Confissão Lutherana no Brasil.

Santo André,outubro de 1990

Frederico Schneider


 


Âmbito: IECLB / Sinodo: Sudeste / Paróquia: ABCD (Santo André-SP)
Área: História
Natureza da memória: Depoimento
Século: 20
ID: 10807
HISTÓRIA
+
Não existe nada de tão bom e nada de tão ruim que Deus não poderia usar para me fazer o bem, se eu confio Nele.
Martim Lutero
© Copyright 2017 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br