Apocalipse 1.4-8 - Domingo Cristo Rei - 25/11/2018

Caderno de Cultos 2018

25/11/2018

25/11/2018 – Domingo Cristo Rei
Jo 18.33-37, Dn 7.9-10,13-14; Pregação: Ap 1.4-8
P. Nilo O. Christmann – Sínodo MT - Cuiabá

LITURGIA DE ABERTURA

ACOLHIDA
“Jesus Cristo diz: Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim” (Ap 22.13). Hoje celebramos o último domingo do ano da Igreja. No próximo domingo já será tempo de Advento. Hoje somos lembrados que o início, o meio e o fim de todas as coisas a Deus pertencem. Somos lembrados que Jesus Cristo é o Rei dos reis. Ao nos reunirmos em culto, colocamo-nos na presença deste Deus, poderoso e amoroso. Dele queremos receber consolo, ânimo e orientação para a nossa vida. Por isso, sejam bem-vindos e bem-vindas.

Acolher os/as visitantes

CANTO DE ENTRADA
Nº 8 – Livro de Canto – Estamos aqui, Senhor

Ou: Nº ...............

SAUDAÇÃO
Estamos reunidos em culto em nome de Deus, Pai e Criador de tudo e todos, Deus Filho em Jesus Cristo, Rei dos reis, e em nome do Espírito Santo, que consola e renova nossas forças. Amém. Invocamos o Deus Triúno cantando

CANTO DE INVOCAÇÃO
Nº 462, 1ª estrofe e estribilho– Livro de Canto – Vem, Espírito Divino

Ou: Nº ..............

CONFISSÃO DE PECADOS

Senhor, nosso Deus! Já na palavra inicial deste culto fomos lembrados que este mundo a ti pertence. O salmista já dizia: “O Senhor é Rei. Ele está vestido de majestade e coberto de poder”. Reconhecemos diante de ti que constantemente nos esquecemos desta verdade. Em nosso orgulho, queremos tomar posse daquilo que é teu. Dispensamos a tua orientação para fazermos as coisas do nosso jeito. É assim que descuidamos da tua criação. É assim que não vemos nas outras pessoas a tua imagem e semelhança. É assim que não cuidamos de nós mesmos. Mas, hoje reconhecemos o fracasso das nossas tentativas de conduzir a nossa vida por conta própria. Confessamos, Senhor, a nossa culpa e nosso pecado e clamamos pela tua misericórdia e pelo teu perdão. Em nome de Jesus. Amém.

ANÚNCIO DO PERDÃO
Deus permanece fiel. Ele se alegra por aqueles que se voltam novamente para ele. Jesus mesmo disse: Vai haver mais alegria no céu por um pecador que se arrepende dos seus pecados do que por noventa e nove pessoas boas que não precisam de arrependimento. Por isso, àqueles e àquelas que com humildade confessaram os seus pecados, anuncio a graça e o perdão de Deus. Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

KYRIE
Quando oramos o Pai Nosso, pedimos pela vinda do Reino de Deus. Quando isto acontecer, já não haverá morte, nem tristeza, nem choro e nem dor. Ele mesmo enxugará todas as lágrimas. Contudo, em meio aos sinais do Reino de Deus neste mundo, ainda há desgraça. Muitos são vítimas da violência, até mesmo dentro da sua própria casa. Outros tantos já não encontram espaço num mundo que deixa para trás os mais fracos. Por esses e por todas a pessoas que sofrem por algum motivo, clamamos:

Kyrie – Pelas dores deste mundo, ó Senhor.

GLÓRIA IN EXCELSIS
Agradeçamos a Deus e glorifiquemos o seu nome, pois, em sua misericórdia e bondade, acolhe e ouve o nosso clamor e a nossa oração. Por isso, cantamos Glória, glória, glória a Deus nas alturas...

ORAÇÃO DO DIA
Senhor, nosso bondoso Deus e Rei! Agradecemos por podermos nos reunir como tua comunidade. Aqui nos sentimos amparados e acolhidos, através dos irmãos e das irmãs. Aqui também temos a oportunidade de ouvir a tua palavra. Precisamos desta tua orientação para a jornada da nossa vida. Por isso, rogamos que venhas falar conosco. Em especial, nesta época de final de ano, quando a nossa tendência é de nos ocuparmos com coisas demais, ajuda-nos a silenciar para que possamos te ouvir. Concede-nos um culto abençoado. Em nome de Jesus. Amém
CANTO
Nº - 613 – Livro de Canto – Quando se abate a esperança
Ou nº .............

LITURGIA DA PALAVRA

LEITURAS BÍBLICAS
1ª Leitura Bíblica: Dn 7.9-10, 13-14
Aclamemos o Evangelho cantando – Aleluia, aleluia, aleluia
2ª Leitura Bíblica: Jo 18.33-37

CÂNTICO INTERMEDIÁRIO
Nº - 113 – Livro de Canto – Nome sobre todo o nome ou
149 – Livro de Canto – É como a chuva que lava

Ou nº .............

PREGAÇÃO – Apocalipse 1.4-8

Estimados irmãos e irmãs! Estimada comunidade!

Afinal de contas, a quem cabe a última palavra? Bem - você vai pensar - depende da situação. No convívio em família, especialmente quando os filhos e as filhas ainda são crianças, é normal que a última palavra caiba à mãe ou ao pai. Até porque são eles os responsáveis por quem ainda é de menor. Fora do âmbito familiar, quando surge uma discussão, a última palavra pode ser daquele que tem o melhor argumento. Aí dizemos: ele matou a charada! Mas também acontece que a última palavra é daquele que tem o poder ou daquele que grita mais alto. Mesmo sem convencer, os demais percebem ou acham que o melhor a fazer é ficar quieto. A pergunta também é interessante para o convívio em comunidade. Como se decidem as diversas questões?
Mas, quando se trata da vida das pessoas ou da humanidade como um todo, a quem cabe a última palavra? Este é um dos temas presentes nos textos bíblicos previstos para este último domingo do Ano da Igreja.
A passagem do evangelho que ouvimos é o relato de um conflito. Os religiosos da época estão incomodados com a presença de Jesus. Por estranho que pareça, o maior problema era que as pessoas ouviam o que ele dizia. As suas palavras estavam sendo um sinal de esperança para muita gente. Para outros, no entanto, isto era um problema. E, quando Jesus ousou afirmar que ele era o rei dos judeus, aqueles que se sentiam ameaçados entenderam encontrando o argumento que faltava para condená-lo. Levaram-no então para Pilatos, o governador, para que proferisse a última palavra. Esperavam uma condenação rápida e sumária. Afinal, como poderia um povo subjugado ao Império Romano ter outro rei que não fosse o próprio imperador? Como sabemos, Pilatos lavou as mãos e deu a última palavra ao povo, que gritou: crucifica-o. No alto da cruz foi escrito, em tom de deboche: Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus.
Aparentemente, o problema estava resolvido. No entanto, eis que muitos anos depois, um sujeito chamado João, a partir de uma revelação que teve, escreve para sete comunidades cristãs localizadas na Ásia. Na região onde hoje é a Turquia. O número sete na compreensão da época significa totalidade. Ou seja, a mensagem não se destinava apenas para aquelas sete comunidades, mas para toda a igreja da época. No texto percebe-se logo que a última palavra sobre a vida e a morte de Jesus não foi de Pilatos, nem dos líderes religiosos e também não do povo que gritou pela crucificação. Não no grito, e sim no silêncio a pedra foi removida. Jesus se encontra com os discípulos. A esperança que parecia sepultada se espalha com vigor. As comunidades para as quais João escreve são fruto desse testemunho.
Mas, por qual razão as comunidades recebem uma mensagem especial? Acontece que o Império Romano continuava de pé. O imperador era capaz de perseguir e matar quem não reconhecesse a sua divindade. Ele declarava-se o dono da última palavra. Ninguém podia estar acima dele. Percebemos então que a mensagem que as comunidades recebeu era mensagem subversiva, de resistência. Ao mesmo tempo, mensagem de consolo, de alento e de ânimo. A saudação dirigida às comunidades é de graça e de paz. É mensagem que reafirma o amor de Deus pelas pessoas. Jesus, ao morrer na cruz, tomou sobre si o pecado da humanidade. A sua morte e ressurreição resultou em perdão e salvação. Deus fez-se humano e frágil para, então, manifestar o seu poder. Este é o combustível da comunidade de fé. Ontem e hoje. Não é para menos que, no texto, Deus é apresentado como aquele que era, que é e há de vir. E Jesus é anunciado como o Rei dos reis. Naquele tempo, fazer esta confissão poderia custar a vida.
Estimados irmãos e estimadas irmãs!
A quem cabe a última palavra quando se trata da vida das pessoas e da humanidade como um todo? O Império Romano ainda prevaleceu por uns 350 anos. Mas, acabou. Muitos irmãos e irmãs na fé foram perseguidos e mortos por afirmar e confessar que o imperador não é Deus e por deixar claro que quando se trata da vida das pessoas e da humanidade como um todo, não lhe cabe a última palavra. Depois disso, já surgiram outros impérios, que também acabaram. Também hoje existem impérios. Também hoje pessoas acham que estão acima de tudo e de todos. Como se diz: Pensam ser “a última bolacha do pacote”. Pensam ter a última palavra. Contudo, tudo o que for construído sobre palavras de pessoas, mais dia ou menos dia, deixará de existir.
A fé daquelas pequenas comunidades cristãs espalhadas pela Ásia e pela Europa estava construída sobre a palavra daquele que diz: “Eu sou o Alfa e o Ômega (o Começo e o Fim), o Deus Todo-Poderoso, que é, que era e que há de vir” (v. 8). É isto que nos lembra o Domingo Cristo Rei. Ou seja, quando há dúvidas, quando há problemas ou quando há sofrimento, não nos esqueçamos que Jesus Cristo é Rei e Senhor. Ele tem a última palavra sobre a vida, sobre a morte, sobre a humanidade e sobre a criação. Eis o nosso combustível para vencer as tentações. Eis o alento necessário para não nos deixarmos seduzir por promessas humanas. Eis a orientação clara para não querermos ter a última palavra em assuntos que não cabem.
Se não nos cabe a última palavra, o que nos cabe então? Temos aí mais uma surpresa da parte daquele que é Rei e Senhor. Mesmo não precisando dos seres humanos para que a sua vontade seja feita no mundo, Deus convida os seus filhos e suas filhas para fazerem parte da sua missão. Ele chama os seus filhos e as suas filhas, chama a sua comunidade, para ser um reino de sacerdotes (v. 6). Quer dizer, Deus nos concede o direito e a tarefa de usar a palavra para testemunhar do seu amor por todas as pessoas. Aliás, não somente usar as palavras, mas que a nossa vida, com tudo o que temos e somos, incluindo os dons que recebemos, esteja a serviço do Rei. Se as primeiras comunidades arriscaram a própria vida para afirmar que Deus tem a última palavra, quanto mais nós, em tempos e liberdade religiosa, deveríamos ser ousados para testemunhar que Jesus Cristo é Rei e Senhor.
Que a revelação recebida por João encha também os nossos corações e mentes de alegria e ânimo neste final de ano. Que a sua graça e sua paz nos alcancem a cada novo dia. Que Deus tenha sempre a última palavra em nossas vidas. Que o nosso testemunho seja firme e contagiante.
Amém

CONFISSÃO DE FÉ
Tendo ouvido a palavra de Deus, queremos juntos confessar a nossa fé:

Creio em Deus Pai, ...

CANTO PÓS CONFISSÃO – A oferta deste culto é Sinodal e se destina à área da Comunicação. Assim diz o texto motivador: Vivemos num período histórico em que temos tantos meios e formas para se comunicar, mas, ao mesmo tempo, estamos distantes uns dos outros. O Sínodo Mato Grosso conta com uma equipe que lida com estes temas! A equipe de comunicação, duas vezes ao ano, se reúne em Cuiabá para pensar a comunicação em nosso sínodo. Isso tem a ver com o nosso informativo, mídias sociais e outros materiais. É uma tentativa de, apesar das distâncias, estar mais perto das Comunidades e Paróquias mostrando aquilo que acontece de bonito em nosso sínodo.
Enquanto as ofertas são recolhidas, cantamos o hino...
Nº - 519 – Livro de Canto – Jesus Cristo é Rei e Senhor
Ou nº ..................

ORAÇÃO DE INTERCESSÃO
Motivos de Oração: (Neste momento quem estiver conduzindo o culto pode pedir à comunidade pelos motivos de intercessão que as pessoas queiram incluir. Caso o/a celebrante se sentir à vontade, pode em seguida dirigir uma oração a Deus incluindo estes e outros pedidos, sem esquecer dos aniversariantes. Caso tenha dificuldade em fazer esta oração, simplesmente convida a comunidade a orar o Pai Nosso e, com ele, as diversas intercessões são colocadas diante de Deus)
Aniversariantes:
1._______________________________________________________
2._______________________________________________________
3._______________________________________________________

PAI NOSSO
Pai nosso ...

LITURGIA DE DESPEDIDA

AVISOS
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ h.
Oferta último Culto: R$ _________ - destinada para ...
_________________________________________________________


BÊNÇÃO
Que a paz do Senhor te acompanhe no caminho da vida.
Que te dê forças nas lutas diárias que terás.
Que essa mesma paz te dê um sono reparador e possas ver
em cada amanhecer um sinal do amor de Deus.
Que possas ser para as outras pessoas sinal de compromisso e paz.

ENVIO
Agora vão em paz e sirvam com alegria ao Senhor. Amém.

CANTO FINAL –
Nº 73 – Livro de Canto – Ontem, hoje e para sempre
Ou nº ...........


Autor(a): Pastor Nilo Christmann
Âmbito: IECLB / Sinodo: Mato Grosso
Área: Celebração / Nível: Celebração - Ano Eclesiástico / Subnível: Celebração - Ano Eclesiástico - Ciclo do Tempo Comum
Natureza do Domingo: Último Domingo do Ano Eclesiástico - Cristo Rei

Testamento: Novo / Livro: Apocalipse / Capitulo: 1 / Versículo Inicial: 4 / Versículo Final: 8
Título da publicação: Caderno de Cultos - Sínodo Mato Grosso / Ano: 2018
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 49657
REDE DE RECURSOS
+
Deus governa com a sua Palavra santa os corações e as consciências e as santifica e lhes dá a bem-aventurança.
Martim Lutero
© Copyright 2018 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br